Comissão de Logística e Infraestrutura da CNA debate tabelamento do frete

Tabelamento do frete

Comissão de Logística e Infraestrutura da CNA debate tabelamento do frete

Comissão Nacional de Logística e Infraestrutura da CNA se reuniu na terça (21), em Brasília
Por:
17 acessos

A Comissão Nacional de Logística e Infraestrutura da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) se reuniu na terça (21), em Brasília, e se manifestou contra a Lei 13.703/18, que estabelece o tabelamento dos preços mínimos do frete. As Federações de Agricultura dos Estados e entidades do setor produtivo, que compõem a Comissão, afirmaram que a Política de Frete Mínimo para o Transporte Rodoviário de Cargas fere a livre concorrência do mercado. “Nós defendemos a inconstitucionalidade da lei, uma vez que proíbe a definição de preços mediante negociação entre os produtores e as empresas agropecuárias e os transportadores de cargas”, disse o presidente da Comissão e da Federação da Agricultura e Pecuária da Paraíba (FAEPA-PB), Mário Borba.

O diretor executivo da Associação das Empresas Cerealistas do Brasil (Acebra), Roberto Queiroga, explicou que a atual tabela não é justa, pois o frete de carga de dinamite está mais barato que um frete de calcário. “Nós entendemos que o caminhoneiro tem seus preços depreciados, mas nós embarcadores em momentos de safra pagamos um preço muito alto. Não se pode colocar um valor e dizer que a partir de agora tem que cumprir ele, os problemas não serão solucionados com uma tabela”.

No início deste mês, a CNA formalizou no Supremo Tribunal Federal um aditamento à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5959, protocolada pela entidade em junho para acabar com a eficácia da Medida Provisória (MP) 832, que criou a tabela de frete para o transporte rodoviário. O relator das ADIs no STF é o ministro Luiz Fux, que vai promover uma audiência pública no dia 27 de agosto antes de se posicionar. “Esse tabelamento é um contra senso, a opinião geral é que é inconstitucional, não há mediação dos dois lados e precisamos de uma posição urgente”, defendeu o diretor executivo do Movimento Pró-Logística de Mato Grosso, Edeon Vaz.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink