Como está o mercado do milho?
CI
Imagem: Marcel Oliveira
COTAÇÕES

Como está o mercado do milho?

Santa Catarina tem dia calmo e poucos negócios com a colheita avançando
Por: -Leonardo Gottems

No mercado do Rio Grande do Sul, de acordo com a TF Agroeconômica, os compradores apostam que o preço irá cair e esperam. “Já foram comercializados 40% da safra que ainda nem foi colhida. Os grandes compradores estão abastecidos e esperando esta queda para voltarem ao mercado. Hoje oferecem no máximo R$ 83,0 nas Missões, para fevereiro e março, mas o vendedor (raros) querem R$ 84,00 fevereiro e R$ 85,00 março. Não há negócios reportados”, comenta. 

Santa Catarina tem dia calmo e poucos negócios com a colheita avançando. “Ao que tudo indica, esta quarta-feira foi de pouco movimento  no  mercado  catarinense.  Com  a colheita avançando, os produtores esperam para realizar  negócios,  e  a  indústria,  abastecida,  não oferece  melhores  preços,  principalmente  depois de quedas em Chicago. A colheita tem avançado em regiões como o Alto Vale, e agentes do mercado acreditam que dentro de 7 a 10 dias mais regiões devem colher também, como Canoinhas”, completa. 

No Paraná os preços se mantém firmes, porém negociação ainda é escassa. “O Estado do Paraná assiste a uma queda de braço com os primeiros milhos sendo colhidos: o produtor não abre a mão  de  preços  menores,  e  sabe  da  sua  força  no mercado  neste  momento,  e  o  comprador,  algumas vezes  por  realmente  não  ter  margens  suficientes, outras  por  encontrar-se  abastecido,  não  “encara” preços maiores”, indica. 

“Comprar milho dentro do Estado do Mato Grosso do Sul com certeza é um  desafio. Primeiro, porque o Estado  tipicamente  não  é  produtor;  segundo porque  hoje  os  produtores  encontram-se capitalizados,  e  terceiro,  porque  a  conta  da indústria não chega nem perto do preço ideal do produtor. Há produtores hoje no Estado com pedidas de R$ 80,00,  porém  agentes do  lado comprador já nos garantiram:  não  há  margens  para  pagar  milho nestes  valores”, conclui. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink