Composto pode revolucionar a bioeconomia
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,170 (1,12%)
| Dólar (compra) R$ 5,59 (-0,36%)

Imagem: Pixabay

PESQUISA

Composto pode revolucionar a bioeconomia

Pesquisa foi feita na Suíça
Por: -Leonardo Gottems
623 acessos

Para transformar nossa economia baseada em combustíveis fósseis em uma bioeconomia sustentável, devemos substituir os recursos fósseis por matérias-primas renováveis, afirmou Vitaly Sushkevich, cientista do Laboratório de Catálise e Química Sustentável do Instituto Paul Scherrer (PSI), o maior centro de pesquisas em ciências naturais e engenharia da Suíça. 

Mas o petróleo, matéria-prima de muitos produtos da indústria química, não pode ser trocado simplesmente por madeira, milho e palha, pois as plantas consistem em tipos de moléculas completamente diferentes do "ouro negro". Junto com colegas da PSI e da ETH Zurich, eles estão trabalhando para mover a pesquisa de zeólitos para frente desse impasse. 

Para desenvolver catalisadores para processar biomassa em produtos de interesse da sociedade, pesquisadores em todo o mundo estão trabalhando em zeólitas que também contêm átomos de estanho, titânio ou zircônio. No entanto, seu desempenho não pode continuar melhorando.  

Portanto, a equipe de Sushkevich recomenda voltar às zeólitas clássicas, que são compostas apenas de silício, alumínio e oxigênio. “Eles são catalisadores muito eficientes”, diz Sushkevich. “O que é especial é que eles podem ser modificados e adaptados conforme necessário para fins específicos. Eles podem até catalisar várias reações químicas em série, uma após a outra. Neste caso, o produto D desejado é convenientemente criado a partir do material de partida A por meio das etapas intermediárias B e C”, completa. 

Os átomos de alumínio são um elemento importante nessas zeólitas. Originalmente, eles estão firmemente ancorados na estrutura do zeólito. Com o calor e outras técnicas, eles podem ser liberados desse composto e, assim, ser capazes de catalisar reações importantes para a bioeconomia. 

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink