Conab lança estudo sobre uso de bagaço de cana para geração de energia

Agronegócio

Conab lança estudo sobre uso de bagaço de cana para geração de energia

"A Geração Termoelétrica com a Queima do Bagaço de Cana-de-açúcar no Brasil", título do estudo, será distribuído em Ribeirão Preto/SP
Por:
2213 acessos
A energia elétrica gerada com a queima do bagaço de cana produzido pelas usinas de açúcar e de álcool é o tema do mais recente estudo publicado pela Conab, após análise dos dados da safra 2009/2010, realizada pelo técnico da empresa, Ângelo Bressan Filho. "A Geração Termoelétrica com a Queima do Bagaço de Cana-de-açúcar no Brasil", título do estudo, será distribuído em Ribeirão Preto/SP, durante a Agrishow.


O objetivo da publicação, segundo Bressan, "é trazer um pouco de luz para uma questão estratégica para qualquer país: a geração e a distribuição de energia elétrica, com foco na utilização do bagaço no período de safra, mas que somente nos anos recentes tem conhecido algum desenvolvimento".

Para Bressan, há pouca participação desta fonte energética no total do país, em parte devido ao pouco prestígio junto aos profissionais do assunto e também à indecisão dos donos de unidades industriais, que teriam que redimensionar seus equipamentos e melhorar a eficiência no aproveitamento energético do 'agrocombustível', fato que permitiria a venda da energia excedente para terceiros, por meio da rede elétrica nacional.


A troca das caldeiras, turbinas e geradores por outros de maior capacidade, segundo o técnico, poderia aumentar a quantidade média de energia dos atuais 85,8 kilowatts para 188,2 kilowatts por tonelada de bagaço queimado. "Como essa é uma fonte limpa e renovável, traria também inegáveis ganhos ambientais ao país", avalia.

O estudo também projeta para os próximos 10 anos o comportamento dos mercados do açúcar e do álcool etílico; estima a quantidade de cana-de-açúcar necessária para atender as demandas doméstica e internacional desses produtos e dimensiona a quantidade anual de bagaço que estará disponível para ser destinada à geração elétrica até o ano de 2020.


O enorme potencial de geração ainda inexplorado e o esperado crescimento das safras de cana nos próximos anos, com a consequente expansão na disponibilidade de bagaço, fazem com que a 'agroeletricidade' seja o mais novo e promissor produto do agronegócio brasileiro, acredita Bressan.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink