Confluência de fatores positivos marca primeiro trimestre de 2018

Algodão

Confluência de fatores positivos marca primeiro trimestre de 2018

Ano de 2018 começou repleto de boas perspectivas, que já começam a se concretizar
Por:
51 acessos

O ano de 2018 começou repleto de boas perspectivas, que já começam a se concretizar. A primeira delas, a tão esperada colheita de dois milhões de toneladas de pluma, algo em torno de 21% a mais que na safra anterior, com produtividades maiores do que esperávamos nas lavouras: 1,66 mil quilos por hectare, apenas 4% menores que o registrado no ciclo anterior, uma meta que nem de longe pretendíamos alcançar. De forma geral, no primeiro trimestre, os preços se mantiveram estáveis e atrativos, o que nos motiva a plantar mais algodão em 2018/2019. No mercado interno, vemos os primeiros sinais de retomada da economia e a indústria prevê um crescimento da ordem de 4%, com geração de até 20 mil empregos formais. Para além das fronteiras, a tendência de consumo mundial se mantém crescente e superior à oferta pelo quarto ano consecutivo.
 
Tudo o que mencionei até então diz respeito às engrenagens da cadeia produtiva, seus aspectos agronômicos e mercadológicos, que, em sua maioria, são autorreguláveis. Mas nem somente delas vive o agro, que, como todos os demais setores da vida, obedece às leis, normas e políticas vigentes. E sobre estas, assim como no clima, temos pouca ingerência e, não raramente, estamos sujeitos a algumas intempéries, que costumamos chamar de insegurança jurídica. Grande parte do trabalho da Abrapa consiste na defesa do setor junto às instâncias políticas, no Executivo, Legislativo e Judiciário, em busca das melhores condições possíveis para que exerçamos a nossa atividade com a segurança que nos permita balizar as nossas decisões e planejar com mais assertividade. É fato que sofremos alguns reveses. Um deles foi a mudança de entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca da constitucionalidade do Funrural, uma matéria que nos exige trabalho contínuo e cuja solução ainda não está totalmente definida.
 
Em 2018, completei o meu primeiro ano de mandato na presidência da Abrapa e pude ver de perto a complexidade e o arrojo da atuação desta entidade. Da mesma forma, constatei o quanto a Associação conquistou em credibilidade, dentro e fora do país, em seus quase 20 anos de existência. Isso se deve a um modo estratégico de pensar que se reflete em todas as suas ações, desde os processos administrativos mais simples, até os grandes programas, como o Algodão Brasileiro Responsável (ABR), o Standard Brasil HVI (SBRHVI), o Sistema Abrapa de Identificação (SAI) e o movimento Sou de Algodão. Cada um deles, com suas características e desdobramentos, e todos “conversando” entre si, retroalimentando os sistemas, e contribuindo decisivamente para o fortalecimento do algodão brasileiro e a construção, sempre em progresso, da sua imagem.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink