Congresso cria polêmica ao tirar do mel rótulo de origem animal

Mel

Congresso cria polêmica ao tirar do mel rótulo de origem animal

Com nova lei, potes do mel brasileiro podem ficar altamente restritos ao mercado nacional
Por:
41 acessos

Nesta quarta-feira (18), a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgou uma preocupação após se reunir com representantes da cadeia de mel do Ministério da Agricultura. A CNA questiona o Projeto de Lei 36/2017, que dispõe sobre a mudança de classificação do mel, que altera a denominação “produto de origem animal” para “produto de origem mista”.

Segundo a confederação, a proposta coloca em risco as exportações do produto, pois países importadores não reconhecem tal classificação. A proposta já foi aprovada na Câmara dos Deputados e está em tramitação no Senado Federal.

“Caso se confirme essa mudança, os produtores rurais também podem ser prejudicados, com elevação da oferta no mercado interno e consequente redução do preço pago ao produtor”, alertou Jonas Jochims, assessor técnico da Comissão de Empreendedores Rurais Familiares da CNA.

Nesta safra, a produção brasileira pode superar 40 mil toneladas de mel, dos quais 27 mil toneladas são destinadas à exportação, segundo a Confederação.

Além do tema mais polêmico (da mudança de denominação), a reunião da cadeia melífera tratou assuntos como a regulamentação da profissão do criador de abelhas, sobre trânsito e certificação sanitária de produtos de origem animal e sobre o Projeto Colmeia Viva, que traça metas para a atividade apícola.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink