Congresso debate desafios do setor sucroalcooleiro no país
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)


Agronegócio

Congresso debate desafios do setor sucroalcooleiro no país

No futuro, os produtores de cana-de-açúcar terão que optar entre alimentar as pessoas e os animais ou abastecer os carros
Por:
655 acessos

No futuro, os produtores de cana-de-açúcar terão que optar entre alimentar as pessoas e os animais ou abastecer os carros. Esse é um dos principais assuntos discutidos até agora no 4º Congresso Internacional de Bioprocessos na Indústria de Alimentos (ICBF 2010), que ocorre até sexta-feira (08-10), em Curitiba, com a presença de 1,3 mil participantes do país e de mais 40 países.

O Fundo das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) estima que exista 1 bilhão de famintos no mundo, o que leva os cientistas a aprofundar o debate sobre a produção de alimentos para atender à demanda. Os especialistas acreditam que o Brasil vive uma encruzilhada em que se deve escolher entre usar grandes extensões de terra para plantar alimentos e saciar a fome no mundo ou atender ao clamor do mercado pelo aumento de combustível por fontes renováveis e continuar produzindo cana-de-açúcar.

O professor Claude-Gilles Dussap, da Universidade Blaise Pascal, na França, disse que em 2010 o ser humano já consumiu, em sete meses, a produção da agroindústria destinada ao ano todo.

Segundo o professor de Genética de Plantas da Universidade de Campinas (Unicamp), Marcelo Menossi, a comunidade científica estuda qual será a demanda por etanol no futuro e de que maneira a ciência poderá contribuir nesse processo, além de aumentar as áreas cultivadas. Segundo ele, o Brasil deve dobrar a produção de etanol até 2025. Hoje, o país produz 100 bilhões de litros de etanol por ano, volume insuficiente daqui a 15 anos.

Para o professor, o governo necessita também regular mercado sucroalcooleiro. “Além da demanda global por etanol, cresce na mesma proporção a necessidade de açúcar pela indústria, a indústria e os usineiros deverão se deparar com uma decisão estratégica que não pertence somente aos empresários, mas ao país”, ressaltou. Ele alerta que o governo precisa se preparar para essa situação com planejamento energético, firmar contratos que regulamentem o fornecimento do que cada usina irá produzir de etanol e quais as áreas cultivadas para açúcar e álcool. "Hoje, cada um planta o que quer”, declarou.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink