Corteva apresenta tecnologias para setor orizícola

Colheita do Arroz

Corteva apresenta tecnologias para setor orizícola

Ainda com todas as perdas estimadas, setor deve colher mais de 8 milhões de toneladas de arroz
Por: -Aline Merladete
2507 acessos

A 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz iniciou nesta quarta-feira (20.02), em Capão do Leão, na região de Pelotas (RS), com o objetivo de desenvolver o setor orizícola, reunindo produtores, autoridades, entidades e empresas do agronegócio do arroz com a finalidade de mostrar a campo, os últimos avanços científicos e tecnológicos na cultura do arroz, bem como discutir a realidade sócio-econômica do setor em nível nacional e internacional.

A Corteva Agriscience, Divisão Agrícola da DowDuPont, está participando do evento com novidades tecnológicas para o setor orizicola, com uma nova possibilidade em herbicida para combater as principais plantas daninhas do arroz. De acordo com a empresa, a nova tecnologia estará disponível no mercado na próxima safra. 

Segundo a Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), o excesso de chuva vai trazer um forte impacto na produção total do Estado. A previsão inicial era de uma queda de 10% na produtividade, mas com o agravamento nas condições climáticas, deve ocorrer um aumento neste percentual, chegando entre 15% e 20% em alguns municípios, e diminuição de quase um milhão de toneladas na produção.

Ainda com todas as perdas estimadas, o setor que é extremamente importante para o Rio Grande do Sul, deve colher mais de 8 milhões de toneladas de arroz.

De acordo com o presidente da Câmara Setorial do Arroz, Daire Coutinho, a crise da lavoura orizícola provoca uma redução na área de produção do cereal. O dirigente também diz que a indústria enfrenta dificuldades com a carga tributária. “Além de elevada, é injusta”, afirma.

Durante o evento, os arrozeiros sugeriram ações para minimizar impacto do custo de produção e resolução de questão sobre Mercosul, medidas que diminuam os custos de produção e a resolução de questões relativas ao Mercosul são duas das principais demandas que a cadeia produtiva orizícola está encaminhando à ministra da Agricultura, Tereza Cristina. Um documento foi previamente aprovado, em reunião da Câmara Setorial do Arroz nesta quarta-feira, dia 20 de fevereiro, na 29ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz. As manifestações serão entregues em até duas semanas. 

O evento acontece entre os dias 20 e 22 de fevereiro, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão, na região de Pelotas (RS).
 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink