Crise abate frigorífico Margen

Agronegócio

Crise abate frigorífico Margen

Por:
4 acessos
Tragado por uma forte crise após denúncias de sonegação fiscal no início deste mês, o frigorífico Margen hoje em quase nada lembra o pequeno - e discreto - império formado nos últimos anos graças, principalmente, a parcerias e arrendamentos. E, se esse pequeno império ruir, a única certeza é que o setor de frigoríficos não será mais o mesmo.


Hoje, apenas três das 21 unidades industriais da empresa no país (Rio Verde, Rondônia e Paranavaí) estão operando. E parcialmente, porque o Margen não consegue comprar animais para abate. Em novembro, o abate diário chegava a 8 mil bois. Restringe-se a 15% desse volume hoje. "A empresa começou a perder a capacidade de captação de matéria-prima para dar continuidade [ao abate]", disse Wagner Cyrne Diniz, gerente comercial do grupo, que tem unidades em Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná e Rondônia e fatura R$ 2,3 bilhões por ano.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink