Cultivo de carbono é uma arma secreta?
CI
Imagem: Marcel Oliveira
MEIO AMBIENTE

Cultivo de carbono é uma arma secreta?

Um dos primeiros países a encorajar seus agricultores a adotar práticas ricas em sequestro foi a Austrália
Por: -Leonardo Gottems

Na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima - COP26 - realizada em Glasgow, Escócia, em novembro de 2021, os líderes mundiais debateram ações globais apropriadas sobre a mudança do clima. De acordo com James Hansen, um importante comentarista sobre mudança climática da Universidade de Columbia, o CO2 deve ser reduzido para cerca de 350 ppm se "a humanidade deseja preservar um planeta ... ao qual a vida na Terra se adapta".

Isso é exatamente o que os agricultores de todo o mundo esperam alcançar manipulando o 'carbono do solo' ou o carbono orgânico do solo (SOC), como é conhecido. Historicamente, a conversão de terras para uso agrícola e o subsequente cultivo intensivo de solos têm sido uma das principais fontes de emissões de GEE. Mas o solo tem grande capacidade de reabsorver muito do dióxido de carbono que já foi perdido, dentro da biomassa do solo e das plantas. Na verdade, o Conselho de Alimentos e Agricultura das Nações Unidas (FAO) sugere  4  que o solo poderia sequestrar cerca de 20 bilhões de toneladas de carbono no próximo quarto de século; mais de 10 por cento das emissões de origem humana. 

Um dos primeiros países a encorajar seus agricultores a adotar práticas ricas em sequestro foi a Austrália, onde o governo estabeleceu um mercado de carbono projetado para ajudar as fazendas a praticarem o 'cultivo de carbono'. A agricultura é responsável por cerca de 14%  5  das emissões de GEE do país; Agora, por meio da Carbon Farmers of Australia, os agricultores podem adotar práticas agrícolas novas ou modificadas que não apenas reduzem essas emissões, mas também capturam e retêm carbono na vegetação e no solo. Esses créditos de carbono têm como objetivo ajudar o governo australiano a cumprir as obrigações do Acordo de Paris de reduzir as emissões em 26-28 por cento em relação aos níveis de 2005 do país. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.