Debates sobre custos de produção, gestão, consumo e tendências para atividade cafeeira acontecem no ES

Agronegócio

Debates sobre custos de produção, gestão, consumo e tendências para atividade cafeeira acontecem no ES

Dia de Mercado do Café foi realizado nesta terça-feira (18/10), em Linhares (ES)
Por:
255 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Dia de Mercado do Café foi realizado nesta terça-feira (18/10), em Linhares (ES)

Levar ao produtor rural informações importantes sobre custos de produção, consumo, estratégias de longo prazo, tendências e perspectivas de mercado para orientar o produtor rural na sua atividade. Este foi o objetivo do Dia de Mercado do Café, realizado nesta terça-feira (18/10), em Linhares (ES), que reuniu 100 participantes, entre cafeicultores, engenheiros agrônomos, técnicos e lideranças classistas da região. Eles assistiram a palestras e debates com especialistas do setor sobre temas ligados à atividade cafeeira com o objetivo de obter mais conhecimento técnico e aprimorar a gestão da propriedade. O evento foi realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil e Federação da Agricultura e Pecuária do Espírito Santo (FAES).

O primeiro expositor do evento foi o pesquisador Diego Humberto de Oliveira, do Centro de Inteligência em Mercados da Universidade federal de Lavras (CIM/UFLA). Ele falou sobre os custos de produção no café e apresentou dados do Projeto Campo Futuro, desenvolvido pela CNA em parceria com diversas universidades, que consiste no levantamento de custos das principais culturas produzidas no país. Segundo ele, o produtor rural precisa ter planejamento para administrar suas despesas na propriedade. “Dados isolados não auxiliam o produtor na tomada de decisões. O custo de produção é a informação primordial para que ele consiga comercializar sua produção a preços que remunerem sua atividade e manteha margens favoráveis”, destacou o pesquisador.

Na sequência, o coordenador do Bureau de inteligência Competitiva do Café, Eduardo César Silva, abordou o tema “Terceira Onda do Café”, uma nova etapa do consumo da bebida, que engloba apreciadores cada vez mais exigentes, que buscam produtos com qualidade superior e sofisticada e se interessam por detalhes do método de produção, desde o grau de torra e beneficiamento, até o nome do produtor. “É um nicho que pode representar uma boa oportunidade para o produtor que atender às exigências deste mercado”, explicou. A terceira onda veio precedida da primeira e da segunda onda, que mostram diferentes fases de consumo. Na primeira, as pessoas procuravam o café por conta do efeito estimulante causado pela cafeína, pouco se importando com a qualidade. Na segunda, há um pouco mais de preocupação com a qualidade, ainda que não fosse de alto padrão.

O terceiro palestrante foi o assessor técnico da Comissão Nacional de Café da CNA, Maciel Aleomir da Silva, que fez a palestra “A importância da informação no mercado de café”. Na sua avaliação, este fator é essencial para a tomada de decisões na atividade. “Muitas vezes trabalhamos com fatores que não estão no controle do produtor. Mas usando a informação da forma correta, as incertezas diminuem porque temos maior possibilidade de saber a hora de tomar as decisões”, ressaltou. Segundo ele, questões como aumento da rentabilidade e aquisição de insumos estão diretamente ligadas à utilização correta da informação.

O último expositor do dia foi o consultor Carlos Brando, sócio-diretor da P&A Marketing, que passou para os produtores as tendências e perspectivas do mercado mundial. Ele destacou que o consumo de café em 2025 pode chegar a 175 milhões de toneladas e o Brasil vai ser responsável por boa parte do fornecimento do produto. Segundo ele, 75% da produção mundial virão de seis países: Brasil, Colômbia, Vietnã, Honduras, Etiópia e Indonésia.  Brando explicou, também, que nos últimos anos, a melhoria de renda em países com grande população, como China, Índia, Brasil e Indonésia, fez aumentar o consumo. Lembrou, ainda, que o Brasil é o maior caso de sucesso mundial na produção de café, com crescimento de 50% em 10 anos, sem expansão de área.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink