Dessecação em trigo aumenta consumo de herbicidas
CI
Imagem: Pixabay
ESTUDO SPARK

Dessecação em trigo aumenta consumo de herbicidas

Os insumos avançaram 37%, para US$ 104 milhões, contra US$ 76 milhões de 2020
Por: -Leonardo Gottems

Defensivos agrícolas empregados na cultura do trigo somaram vendas de US$ 268 milhões na safra de trigo da temporada 2021, um crescimento de 19% frente ao ciclo anterior, quando haviam sido vendidos US$ 224 milhões. Os dados são do levantamento BIP – Business Intelligence Panel, da consultoria Spark Inteligência Estratégica. 

Pela primeira vez na série histórica da empresa, os herbicidas foram os produtos mais demandados pelo produtor. Os insumos avançaram 37%, para US$ 104 milhões, contra US$ 76 milhões de 2020.

Segundo a especialista em pesquisas da Spark, Victória Barbalho, a escalada dos herbicidas se explica, sobretudo, pelo aumento na adoção do triticultor à dessecação na etapa pré-colheita. Esta prática pressupõe aplicações de produtos quando grãos de trigo atingem a chamada ‘maturação fisiológica’ (ponto de melhor qualidade). “A medida confere uniformidade à lavoura, mesmo quando o clima é desfavorável, facilita a colheita e reduz custos.”

Conforme a Spark, na safra 2021 a dessecação respondeu por US$ 28 milhões das vendas de herbicidas do cereal. Dados indicam ainda que a prática ocorreu em 1,4 milhão de hectares. “55% da área plantada contaram com pelo menos uma aplicação na dessecação. O indicador mais do que dobrou frente a 2017”, analisa Victória. Comparada ao ciclo 2020, quando os cultivos preencheram 2,2 milhões de hectares, a dessecação subiu 14%, segundo o BIP Spark Trigo.

“O BIP Spark Trigo 2021 revela forte tendência de a dessecação voltar a surpreender nas próximas safras. Triticultores veem vantagem na adesão a esse manejo, principalmente nas regiões onde o clima torna possível antecipar a colheita, para antecipar também o plantio da soja”, afirma Victória Barbalho.

Para a Spark, o crescimento geral do mercado de agroquímicos do trigo na safra 2021 veio atrelado a dois fatores: aumento da área plantada, de 2,2 milhões de hectares para 2,5 milhões de hectares (+10%), e elevação dos custos de insumos. De acordo com a consultoria, a valorização do trigo no mercado internacional também impulsionou a cultura, frente ao clima desfavorável do Sul para o milho. “O cereal pode substituir o grão na fabricação de ração animal”, exemplifica Victória Barbalho.

Entre os demais agroquímicos, os fungicidas, segunda categoria em importância, equivaleram a 34% das vendas e cresceram 13%, para US$ 92 milhões, ante US$ 81 milhões de 2020. Os inseticidas, em terceiro, cravaram 10% do montante (US$ 27 milhões) e avançaram 11% (US$ 25 milhões). Produtos para tratamentos de sementes, com US$ 26 milhões transacionados, também ficaram na faixa de 10% em participação, seguidos de adjuvantes, 3% ou US$ 15 milhões e reguladores de crescimento: 1% ou US$ 4 milhões.

De acordo com a pesquisa da Spark, os estados do Paraná e do Rio Grande do Sul permanecem os maiores produtores de trigo do País: semearam 1,2 milhão de hectares ou 47% do cereal e 1,1 milhão de hectares ou 45%, respectivamente. SP, SC e MG, somados, totalizaram 8%.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.