Dinamarca reduz emissões de metano de vacas leiteiras
CI
Imagem: Pixabay
PECUÁRIA E MEIO AMBIENTE

Dinamarca reduz emissões de metano de vacas leiteiras

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que a composição relativa do microbioma no rúmen é hereditária
Por: -Leonardo Gottems

Ruminantes, como vacas, liberam uma grande quantidade de metano na atmosfera, que é produzido durante a fermentação natural da ração no rúmen. O metano é um poderoso gás de efeito estufa que é 23 vezes mais prejudicial do que o dióxido de carbono. Para o setor agrícola, encontrar maneiras de reduzir as emissões de metano das vacas tornou-se uma questão crítica.

Uma é selecionar vacas geneticamente predispostas a emitir menos metano, já que as vacas variam na quantidade de metano que emitem. No entanto, mais de um caminho pode ser tomado. Pesquisadores da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, descobriram recentemente que dois fatores independentes influenciam a variação na produção de metano de vacas leiteiras. Um fator é o genótipo individual da vaca, enquanto o outro é a composição de seu microbioma ruminal. Se os criadores puderem direcionar as emissões de metano em ambas as frentes, isso poderá levar a mais progressos na redução das emissões de metano.

“Nosso estudo demonstra que a variação na emissão de metano provavelmente não é modulada pelos efeitos genéticos da vaca no microbioma ruminal. Portanto, o microbioma ruminal e o genoma da vaca podem ser abordados de forma independente, criando vacas com baixas emissões de metano e, paralelamente, investigando possíveis estratégias visando mudanças no microbioma ruminal para reduzir as emissões de metano na indústria pecuária", dizem os autores em um artigo publicado na PLOS Genetics.

Os pesquisadores levantaram a hipótese de que a composição relativa do microbioma no rúmen é hereditária, ou seja, controlada pelo genoma do hospedeiro, e que as variações na emissão de metano no rúmen são influenciadas tanto pelo genoma da vaca quanto pelo genoma do hospedeiro. rúmen. Eles amostraram o conteúdo ruminal de 750 vacas leiteiras em cinco fazendas comerciais na Dinamarca. A emissão de metano dessas vacas foi medida individualmente durante a ordenha automatizada ao longo de uma semana.

“A genética das vacas pode explicar 21% da variação na produção de metano e os micróbios do rúmen podem explicar 13%. É importante ressaltar que os dois são amplamente independentes um do outro, portanto, é improvável que a criação de vacas com baixas emissões de metano produza mudanças desfavoráveis no microbioma ruminal”, observam os autores.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.