Eles são ‘polacos batateiros’, com muito orgulho, e estão faturando milhões

Agronegócio

Eles são ‘polacos batateiros’, com muito orgulho, e estão faturando milhões

Conheça a família Dzierwa, que está na terceira geração de produtores rurais e há 30 anos vem crescendo com a plantação de batatas na RMC
Por:
1155 acessos

‘Ah, vá plantar batata!’, pode até soar pejorativo. Mas não para a família Dzierwa, de Contenda, na região metropolitana de Curitiba. Na verdade, é exatamente isso o que eles fazem. Exclusivamente. Há 30 anos. “Uma vez, quiseram me chamar de ‘polaco batateiro de Contenda’ e eu respondi: ‘ué, mas a gente é mesmo’”, brinca Alexandre Dzierwa, de 29 anos, o produtor caçula de uma tradição rural que já está na terceira geração.

Os Dzierwa chegaram a Contenda ainda no século 19, vindos da Polônia. Mas foi o avô do Alexandre, o seu Isidoro, quem começou com a atual “Fazenda 1960”, isso há quase 70 anos. De início, ele trabalhava com outros alimentos também, focado mais no comércio dentro da própria região, mas é claro que, como reza a vocação polonesa, batata era item obrigatório. Com o tempo, porém, a atividade foi ficando mais especializada e, já com o filho dele e pai do Alexandre, Emílio, é que a propriedade passou a cultivar unicamente batata.

Batateiros profissionais

Por conta do grande volume de produtores, Contenda era conhecida como Capital da Batata, com placa na entrada da cidade e tudo, mas, conforme o agronegócio foi se profissionalizando no Paraná, muitos acabaram migrando para culturas consideradas mais lucrativas. Não os Dzierwa. Para eles, a chave foi a adaptação. “Aqui, nós tínhamos dificuldade em produzir a batata lavada, que o consumidor começou a procurar, por causa da característica da terra, que era mais difícil de lavar. Então, passamos a vender para a indústria”, conta Emílio.

Hoje, das 8 mil toneladas que eles produzem por ano, quase tudo vai para as fábricas, principalmente de salgadinhos. Entretanto, num ambiente tão competitivo e de mudanças tão rápidas, como o agronegócio, apostar num único produto pode ser um risco, reconhece a família. Emílio fala na possibilidade de incluir outras culturas em sistema de rotação, mas, para o filho, Alexandre, a solução é buscar mais uma vez a adaptação, em novas frentes dentro da própria cadeia produtiva da batata. “É como um médico especialista”, define.

Volta ao passado

Foi daí e a partir das sugestões e pedidos de amigos, que têm lanchonetes em Curitiba, que o Alexandre começou a testar uma receita de batata pré-frita, há mais ou menos seis meses. Num mercado dominado por grandes marcas, os polacos de Contenda optaram por voltar às origens, lá do seu Isidoro Dzierwa.

“Nossa ideia é buscar o comércio local, criar vínculos: assim, o dinheiro circula aqui na região e as pessoas sabem de onde vem o alimento que estão comendo”, explica.

E gente interessada é o que não falta. Dos 20 kg que eles entregaram nas primeiras semanas de testes, passaram agora a mais de 2 toneladas/mês e a meta é ampliar a fabricação para 5 toneladas/mês até o segundo semestre de 2017.

“A gente busca essa coisa artesanal, do produto feito à mão, sem nenhum conservante, porque a distância para entregar é mais curta”, diz Alexandre. “É uma tendência de mercado que existe e é forte. Cerveja artesanal existe, e nem por isso as pessoas deixam de consumir grandes marcas. Hamburgueria também. E por que a batata frita não?”

Serviço

Quem quiser saber mais sobre a história da família Dzierwa ou até conhecer a linha de produção pode entrar em contato com os produtores pelo site da Fazenda 1960.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink