Emater-MG orienta produtores no combate à virose em alface

Agronegócio

Emater-MG orienta produtores no combate à virose em alface

A Emater-MG e os produtores de alface estão investindo no combate a uma doença de nome curioso: a vira-cabeça
Por:
602 acessos

A Emater-MG e os produtores de alface do município de Mário Campos, na região metropolitana de Belo Horizonte, estão investindo no combate a uma doença de nome curioso: a vira-cabeça. Ela é causada por um vírus transmitido pelo mosquito Tripes. A alface doente apresenta manchas e bronzeamento. A infecção começa normalmente em um lado da planta, fazendo com que ela fique distorcida, até causar a interrupção do crescimento. Os pés de alface infectados podem ter perda de 100%.

“A medida mais importante é a plantio de mudas sadias. Elas devem ser produzidas em locais isolados, protegidas do inseto vetor”, explica a técnica da Emater-MG no município, Shelen de Souza. Ela informa que no caso de plantas atacas pelo inseto, já no campo, elas devem ser eliminadas logo no início da doença. Isso evita que a larva do mosquito se alimente de plantas doentes. Também é importante eliminar o mato e as ervas daninhas que ficam ao redor das plantas.

A última medida é o controle do mosquito com inseticida. “O produtor só deve tentar controlar o mosquito com inseticida natural ou químico, autorizado para esta cultura, se todas as medidas preventivas já tenham sido tomadas anteriormente, principalmente a produção de uma muda sadia”, comenta a técnica.

Mário Campos é responsável por aproximadamente 30% do abastecimento de alface na região metropolitana de Belo Horizonte.  O aparecimento da vira-cabeça nos plantios foi no ano passado. O pico da doença este ano no município foi em outubro, período com poucas chuvas e altas temperaturas, condições propícias para a proliferação do mosquito. “A tendência agora é diminuir por causa das chuvas. O aumento da umidade dificulta a proliferação do Tripes”, explica Shelen de Souza.

Dos 200 hectares ocupados com alface no município, cerca de 40% foram perdidos por causa da doença neste ano. “Alguns agricultores perderam toda a produção de alface. Mas a maioria investe também em outras culturas, então há outras alternativas de renda” comenta a técnica da Emater-MG.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink