Emater/PR alerta para o monitoramento da ferrugem

Agronegócio

Emater/PR alerta para o monitoramento da ferrugem

A aplicação de fungicida só deve ser realizada após a constatação da doença
Por: -Antonio Márcio
1 acessos

A Emater/PR alerta para que produtores rurais façam monitoramento constante nas lavouras de soja afim de que sejam detectados possíveis focos de ferrugem asiática. Segundo o especialista em Fitopatologia, Jorge Gheller, a aplicação de fungicida só deve ser realizada após a constatação da doença nas plantas.

Gheller diz que os agricultores devem ficar em alerta total para evitar aumento no custo de produção, provocado pela decisão incorreta e sem parâmetros técnicos no controle da ferrugem asiática. "Os agricultores devem ficar atentos às manifestações da doença podendo evitar a aplicação desnecessária de fungicidas", pondera.

O especialista comenta que a aplicação de produtos só deve acontecer após a constatação real da doença nas lavouras. Ele diz que mesmo após a aplicação do agroquímico as lavouras devem ser monitoradas constantemente para que qualquer outra aparição da doença seja detectada.

Gheller explica que as aplicações preventivas podem acarretar em prejuízos no lado econômico. O especialista observa que o clima está propicio para o aparecimento da doença, pois está chovendo bastante na região de Campo Mourão. "Já foi comprovado que o fungo causador da doença está presente nas lavouras. O correto é que haja monitoramento e só aplique se necessário", reitera.

As condições ideais para a disseminação do fungo que provoca a ferrugem asiática são as noites frias e dias quentes, com altos índices de umidade. Temperaturas médias menores que 28 graus e o molhamento foliar de mais de dez horas favorecem a infecção da planta.

Conforme Gheller se fizer uso do defensivo no momento errado, o agricultor poderá ser obrigado a repetir várias aplicações, aumentando sensivelmente os custos de produção. Mas, se não houver monitoramento da lavoura, a doença corre o risco de ser descoberta tarde demais, comprometendo-se a eficiência dos produtos e o rendimento das lavouras.

A doença provoca a desfolha precoce da soja e reduz o peso do grão. Dissemina-se pelo vento e não pela semente. Nos casos mais severos, as perdas excedem a 70% da produção. É muito comum ser confundida com a mancha parda ou com a septoriose (Septoria glycines). A diferenciação entre as duas doenças é estabelecida observando-se com uma lupa a parte de baixo da folha. A ferrugem manifesta-se como uma saliência semelhante a uma bolha, que corresponde a estrutura de frutificação do fungo (urédia).

Ferrugem

O sistema de alerta da Embrapa/Soja de Londrina já detectou sete focos da doença no Paraná. Um deles é em Mamborê. Outros focos foram identificados em Marechal Cândido Rondon, Formosa do Oeste, Braganey, Pinhalão e dois em Congoinhas. Em todo o pais, o sistema de alerta já detectou 50 focos da doença.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink