Embrapa Amazônia Oriental traça metas para 2005

Agronegócio

Embrapa Amazônia Oriental traça metas para 2005

Por:
1 acessos

Ampliar o atendimento aos pr odutores rurais que procuram soluções tecnológicas que alavanquem o desenvolvimento de suas propriedades e fortalecer a parceria com as demais instituições ligadas ao agronegócio, são estratégias da Embrapa Amazônia Ocidental Manus-AM), Unidade da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária vinculada ao Ministério da

Agricultura, Pecuária e Abastecimento para reforçar a transferência de tecnologia em 2005.

Para alcançar esses objetivos, a Embrapa vai reativar a sua participação no Núcleo de Geração e Transferência de Tecnologia (NGA), disponibilizando, diariamente, um técnico para prestar atendimento ao público.

Criado há cinco anos, o Núcleo funciona na rua dos Andradas, próximo ao Porto e à Feira Manaus Moderna, principais pontos de comercialização da produção agrícola amazonense. Além da Embrapa, fazem parte do NGA, o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae/AM), Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Amazonas (Idam), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/AM) que prestam assessoria em suas áreas de atuação.

As ações do Núcleo já beneficiaram centenas de famílias de praticamente todos os municípios do Estado do Amazonas. O projeto a ser desenvolvido em 2005 pela Embrapa prevê ainda a realização de palestras, treinamentos e cursos variados dentro dos programas de pesquisa desenvolvidos pela instituição no Amazonas ou em outros estados, dependendo da demanda.

Para garantir o atendimento aos usuários do NGA, os técnicos agrícolas Fernando Silva e Ednilson Alves se revezarão no atendimento ao público.

Esse processo inclui ainda a reativação da parceria político institucional com diversos órgãos da administração pública.

Segundo a chefe-geral da Embrapa Amazônia Ocidental, Aparecida Claret de Souza, "a idéia é oferecer soluções a quem nos procura, por que sabemos das dificuldades que o homem do campo encontra para desenvolver seu negócio".

No NGA, o produtor é encaminhado para atendimento por uma das instituições participantes de acordo com o problema apresentado. "O produtor que estiver, por exemplo, com problemas de doença, de rendimento na produção e quer melhorar seu plantio, ele deve se dirigir ao NGA onde haverá um representante da Embrapa para ajuda-lo a resolver seus problemas",explica Fernando Silva.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink