EPA prorroga registro do Dicamba

EUA

EPA prorroga registro do Dicamba

No entanto, defensivo deve ser totalmente suspenso após 2020.
Por: -Leonardo Gottems
403 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

A Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) anunciou que está prorrogando o registro de Dicamba por dois anos para controlar ervas daninhas em lavouras de algodão e soja geneticamente modificadas. De acordo com informações divulgadas pelo portal Agriculture.com, a prorrogação serve para uso excessivo, ou seja, aplicação em plantas em crescimento. 

Segundo informou em um comunicado o administrador da EPA, Andrew Wheeler, a decisão foi tomada em conjunto por uma espécie de “força-tarefa” que incluiu a EPA, reguladores estatais, agricultores, pesquisadores acadêmicos, fabricantes de pesticidas e outras partes interessadas. Ele afirma que a EPA entende que o Dicamba é uma valiosa ferramenta de controle de pragas para os agricultores dos Estados Unidos. 

"Ao estender o registro por mais dois anos com novas atualizações importantes de rótulos que impõem restrições adicionais ao produto, estamos garantindo segurança a todas as partes interessadas para a próxima estação de crescimento”, comenta. 

No entanto, algumas restrições foram especificadas como a exclusividade para aplicadores certificados, a proibição na aplicação na soja 45 dias após o plantio e o algodão 60 dias após o plantio e um rótulo aprimorado para melhorar a conscientização do aplicador sobre o impacto do baixo pH na potencial volatilidade do Dicamba. Além disso as aplicações serão permitidas apenas de 1 hora após o nascer do sol até 2 horas antes do pôr do sol. 

A EPA revisou quantidades substanciais de novas informações e concluiu que o registro contínuo desses produtos atende aos padrões de registro da FIFRA (Agência Federal de Inseticidas, Fungicidas e Rodenticidas). A agência também determinou que a extensão desses registros com as novas medidas de segurança não afetará espécies ameaçadas.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink