Etnografia pode desenvolver novos produtos alimentícios
CI
Imagem: Pixabay
INOVAÇÃO

Etnografia pode desenvolver novos produtos alimentícios

"Etnografia nos obriga a pensar na pergunta certa e só então encontrar a resposta"
Por: -Leonardo Gottems

A etonografia pode ser utilizada para desenvolver novos produtos alimentícios, de acordo com Sandra Mian, que é engenheira de alimentos formada pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e consultora na área de alimentos. Ela escreveu um texto para a CarneTec Brasil.

“Além do produto em si, suas características, seu formato, sua forma de utilização, há também a questão da distribuição desse produto. Durante esse período de observação etnográfica, eu pude perceber como a dificuldade de transporte (a maioria deles não tem carro) afeta o que e como compram em supermercados. E me mostrou também a importância do comércio digital.  

Ou seja, etnografia feita corretamente, mesmo que muita gente diga que não tenha validade estatística, proporciona uma compreensão holística (o que chamamos de “system thinking”, pensamento sistêmico) do problema. Etnografia nos obriga a pensar na pergunta certa e só então encontrar a resposta. Não há respostas pré-fabricadas”, comenta.

De acordo com ela, quando trabalhamos com design thinking, estamos sempre “abrindo e fechando”: abrimos quando fazemos um brainstorming e o maior número possível de ideias surge, e fechamos quando selecionamos as melhores ideias. “Tampouco se perdem de vista a visão e a missão da empresa. O objetivo é rapidamente conseguir montar um roadmap de ideias – curto, médio e longo prazo – sempre alinhadas com a capacidade produtiva da empresa, as necessidades do mercado, custo, investimento, recursos humanos, etc.   

Muitos devem também estar pensando que usar design thinking é algo muito demorado. Exatamente o contrário! Quando o processo é bem conhecido da equipe, os projetos usando design thinking levam em geral de 3 a 4 meses do princípio ao fim, inclusive com os produtos ou serviços prototipados e testados”, conclui.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.