Evento discute desafios para o avanço do feijão e pulses no Brasil

Feijão

Evento discute desafios para o avanço do feijão e pulses no Brasil

O foco do encontro foi os desafios e as oportunidades para o setor
Por:
124 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

Pesquisadores da Embrapa Arroz e Feijão participaram do VI Fórum Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais, realizado em Curitiba (PR), entre 15 e 17 de agosto, sob a coordenação do Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (IBRAFE). O evento contou com cerca de 16 expositores e aproximadamente 500 pessoas, abrangendo autoridades, produtores, sementeiros, empresários e outros profissionais ligados à cadeia produtiva. O foco do encontro foi os desafios e as oportunidades para o setor.

A Embrapa Arroz e Feijão conduziu no evento três apresentações: 1) “Manejo sustentável da mosca-branca em sistemas de produção agrícola” (pesquisadora Eliane Dias Quintela); 2) “Oportunidades e desafios para o biocontrole de doenças na cultura do feijoeiro” (pesquisador Murillo Lobo Júnior); e 3) “Feijão escuro e armazenado ainda é bom para o consumo?” (pesquisadora Priscila Zaczuk Bassinello). Além disso, houve o lançamento do segundo volume da publicação do Grupo Técnico de Consultores de Feijão (GTEC) sobre o projeto seis toneladas de feijão.

Em relação às apresentações, Eliane Dias Quintela expôs para o público resultados promissores de uma das linhas recentes de pesquisa, a saber, o uso de fungo do gênero isaria, que é capaz de matar ninfas e adultos da mosca-branca, praga disseminada por todo o País, que ataca várias culturas, e é vetora de muitas doenças. Já Murillo Lobo Júnior abordou, dentre outros, o uso de fungos para controlar doenças de solo no feijão. A pesquisa estuda, por exemplo, o gênero trichoderma para combater o mofo branco e podridões radiculares, causadas, por fusarium e rhizoctonia.

Priscila Zaczuk Bassinello destacou em sua apresentação pesquisas sobre a qualidade do feijão, mostrando, em síntese, que o aspecto visual do grão escurecido, em especial o carioca, não deve ser utilizado como parâmetro determinante para julgar o produto como velho, com muito tempo de prateleira, com perda de suas características e propriedades fundamentais. “A cor não se revelou um atributo confiável para predizer a qualidade culinária, nutricional e funcional do grão”, disse.

Projeto seis toneladas de feijão

A analista da Embrapa Arroz e Feijão, Luciene Fróes Camarano de Oliveira, também fez uma apresentação no lançamento do volume dois (2011-2017) do livro relacionado ao projeto seis toneladas de feijão, durante o VI Fórum Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais. Ela foi a coordenadora da publicação, que reúne 24 trabalhos de instituições de pesquisa e de consultores técnicos com resultados sobre o manejo da cultura do feijão. Luciene explicou que o livro é dividido em seis capítulos, cobrindo, por exemplo, as áreas de fitotecnica, nutrição de plantas e fitopatologia. O objetivo da iniciativa é que ela sirva como recurso para consulta, orientando e ajudando produtores a aumentar a produtividade do feijoeiro.

Para os organizadores do VI Fórum Brasileiro do Feijão, Pulses e Colheitas Especiais, o evento atendeu as expectativas para o fortalecimento de ações em defesa dos interesses do setor e no que diz respeito à programação de atividades conjuntas para valorização do consumo de pulses no Brasil.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink