Evento internacional discute cafeicultura
CI
Imagem: Eliza Maliszewski
DESAFIOS

Evento internacional discute cafeicultura

Cafeicultura deve diminuir diferença entre preços e renda do agricultor
Por:

O Fórum Mesoamericano do Café destacou a importância de fortalecer a estrutura institucional, as alianças estratégicas e a inovação para enfrentar os desafios da cadeia do café na região.

Fez isso na reunião denominada "Oportunidades de inovação para a cafeicultura de Mesoamerica e no Caribe", organizada no âmbito do Programa Centro-Americano de Gestão Integral da Ferrugem do Café (PROCAGICA), financiado pela União Europeia (UE) e implementado pela o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura (IICA), no qual foram analisados os temas que afetam a cadeia do café.

Os participantes foram o vice chefe da Unidade de Operações Regionais para a América Latina e o Caribe da Direção-Geral de Cooperação Internacional e Desenvolvimento da Comissão Europeia, Denis Thieulin; o Ministro da Agricultura da Nicarágua e Presidente Pro-tempore do Conselho Agropecuário da América Central (CAC), Edward Centeno; o Secretário de Agricultura e Pecuária de Honduras, Mauricio Guevara; e o diretor-geral de Promoção da Agricultura da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (SADER) do México, Santiago Argüello.

Também estiveram presentes Manuel Otero, Diretor-Geral do IICA, Muhammad Ibrahim, Diretor-Geral do CATIE, e especialistas e líderes de entidades cafeeiras da Colômbia, Brasil, México, América Central, Panamá e República Dominicana.

Um dos desafios da cafeicultura regional é reduzir a diferença entre os preços internacionais de venda do café e a renda dos produtores, segundo Mauricio Guevara. “Nossos produtores não podem receber uma ninharia pela venda de um produto ao qual dedicam tanto tempo e esperança”, disse o secretário de Agricultura de Honduras.

Para Centeno, ministro nicaraguense, o setor cafeeiro da Mesoamérica, em particular de seu país, requer apoio para se recuperar do impacto dos furacões Eta e Iota, para os quais solicitou a ampliação dos programas de apoio aos pequenos produtores, como o PROCAGICA. “Este é um momento para unir forças e avançar juntos”, frisou.

Posição semelhante foi expressada por Santiago Argüello, do SADER do México. “Esses fóruns nos fornecem conhecimentos e experiências para posicionar o café mesoamericano de maneira mais eficaz e continuar a forjar ações concretas para fortalecer o setor”, disse ele.

“A melhor resposta para enfrentar esses riscos é um arcabouço institucional mais sólido, com capacidade de gerenciar políticas, programas e planos que tenham impacto na competitividade da cadeia e fortaleçam as relações público-privadas; a resiliência do setor aumenta se houver instituições cafeeiras fortes ”disse o Diretor-Geral do IICA no evento virtual.

Muhammad Ibrahim destacou a importância da inovação no setor. “Temos trabalhado com doadores para desenvolver novos híbridos de café; na verdade, muitos já estão em parcelas de avaliação e escalonamento com o PROCAGICA, que são altamente resistentes à ferrugem, a principal doença hoje ", disse.

Impulso para a reativação

Denis Thieulin, da Direção Geral de Cooperação Internacional e Desenvolvimento da Comissão Europeia, destacou que a UE apoia os processos de reativação na América Central para cenários pós-covid-19.

“Estamos convencidos de que o setor cafeeiro tem potencial para promover o desenvolvimento sustentável e a geração de empregos. O PROCAGICA alcançou uma conquista importante para a gestão de riscos do café e tem ajudado os pequenos produtores a resistir melhor às condições adversas, como as derivadas das mudanças climáticas ”, afirmou.

Carlos Armando Uribe, vice-presidente da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia, uma das maiores organizações dessa atividade no mundo, destacou o papel das instituições como pilar para que a cafeicultura se torne cada vez mais competitiva; bem como a importância das instituições pensando primeiro no bem-estar do produtor e de sua família, antes da planta e da colheita.

O evento virtual foi encerrado com a apresentação de um estudo da especialista Vera Espíndola-Rafael, membro do Conselho de Administração da Specialty Coffee Association (SCA), sobre a situação do mercado cafeeiro mundial e regional, as perspectivas de mudança e as oportunidades para produtores da Mesoamérica e do Caribe.

Em geral, o estudo sugere encorajar uma maior transparência e uniformidade na gestão dos dados cafeeiros dos países da região.

O Fórum Mesoamericano do Café deu continuidade ao acordo firmado em setembro de 2019 entre o Governo do México, por meio do Secretário da SADER, Víctor Villalobos, e os ministros do CAC, para um posicionamento mais eficaz do café da Mesoamérica e do Caribe e gerar ações específicas que fortaleçam a competitividade, a lucratividade, a sustentabilidade e o bem-estar social do setor cafeeiro.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink