Excesso de chuva prejudica colheita de soja


Agronegócio

Excesso de chuva prejudica colheita de soja

Por:
1 acessos

Em 24 de profissão, Moacir Ribeiro Júnior, gerente da Cooperativa Mista dos Produtores Rurais do Sudoeste Goiano (Comigo), nunca tinha recebido uma safra de soja com tanta umidade. "A umidade é tanta que vamos ter que refazer nossa tabela de referência", diz.

Na época em que a tabela foi confeccionada, há mais de 20 anos, a umidade máxima projetada chegava a 33%, o que "já era um absurdo, um número teórico", nas palavras de Ribeiro. Nesta safra, ele chegou a receber carregamentos com umidade de até 35%. "Nem sei como aplicar o desconto no preço", afirma.

As chuvas nos estados de Goiás e Mato Grosso estão atrasando a colheita da safra, elevando o índice de umidade dos grãos e, conseqüentemente, o desconto feito ao produtor. Na Comigo, das 60,2 mil toneladas recebidas neste ano, 10%, ou 6 mil toneladas, apresentaram umidade superior a 20%. Nesse caso, o desconto sobre o preço chega a 8%. O desconto é progressivo. Quando a umidade chega a 33%, o desconto no preço pode chegar a 34%. Na média, a Comigo recebeu neste ano a soja com umidade de 17%, contra 13,2% apurados em 2002 e 14,1% apresentados em 2001. O referencial da cooperativa é de 14%.

Segundo a Safras & Mercado, em Goiás 55% da safra foi colhida, contra 70% em 2002 e 68% na média dos últimos cinco anos. Em Jataí, Rio Verde e em Mineiros, no sudoeste do estado, não é raro ver as colheitadeiras a todo vapor até as 23 horas da noite. "Aproveitamos cada brecha para colher porque a chuva neste ano não está facilitando", diz o produtor Milton Fries, de Mineiros (GO). Dos 8 mil hectares que plantou, 30% ainda não foram colhidos. "Em 2002, a colheita já estava terminada."

No Mato Grosso a situação não é diferente. Hoje, 70% da safra foi colhida no estado, ante 77% apurados em igual período do ano passado e 81% na média dos últimos cinco anos. "Os produtores do Centro-Oeste plantaram atrasados com a falta de chuvas, e estão colhendo atrasados pelo excesso de chuvas", diz Flávio França Júnior, analista da Safras & Mercado.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink