Excesso de chuvas afeta plantações de grãos, cebola e tomate no Sul do país

Agronegócio

Excesso de chuvas afeta plantações de grãos, cebola e tomate no Sul do país

Chuva, frio e geada é a previsão para os próximos dias
Por:
1484 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

A excessiva quantidade de chuva que caiu na segunda quinzena de Junho na região oeste gaúcha, áreas de fronteira e da Campanha castigou as plantações de grãos, cebola e tomate. Algumas lavouras chegaram a ficar isoladas em decorrência de alagamento. Tanta água tem prejudicado o desenvolvido e a colheita dos produtos, diminuindo a qualidade e a produtividade na região.

Segundo a Climatempo, nesta terça-feira (22.07), uma nova frente fria se forma e vai organizar áreas de instabilidade sobre o Estado gaúcho. Tem previsão de chuva forte, principalmente sobre o oeste da Região Sul. Na tarde e noite de quinta-feira (24) há a possibilidade de neve nas áreas do Planalto Sul catarinense. E a entrada do ar polar vai derrubar as temperaturas novamente durante o final de semana. Há a previsão de geada em diversas áreas, conforme se observa no mapa.

No inverno, a alta precipitação não é tão prejudicial para a maioria das safras, porém algumas culturas, como milho, soja, cebola, tomate, fumo, leite, e até mesmo o próprio pasto, podem sofrer com esse excesso de umidade. Os agricultores se preparam, agora, para realizar o início da safra de grãos que se inicia em setembro e vai até dezembro, como é o caso do milho. Dessa forma os produtores só vão poder ver o resultado do impacto do excesso de umidade nas lavouras entre março e maio do ano que vem, quando será a época das colheitas.

No entanto, com essas quantidades volumosas de chuva, já foi perdida cerca de 1,5 milhão de tonelada da safra de soja na região, informa Ilmar Borchardt, engenheiro agrônomo da EPAGRI.O clima ideal para um bom cultivo de grãos e algumas verduras citadas anteriormente deveria incluir chuvas regulares e distribuídas, cerca de 150 mm por mês.

O engenheiro, ressalta a importância da prevenção, ficando atento às previsões e dimensão das colheitas. “A primeira regra básica para todo o agricultor é não concentrar toda a produção e distribuir a plantação ao longo do tempo. Então, caso chova muito, isso não será capaz de afetar a sua plantação.”, finaliza Borchardt.
Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink