EXPEDIÇÃO: No Paraná, foi a chuva que atrapalhou

Tabaco

EXPEDIÇÃO: No Paraná, foi a chuva que atrapalhou

A região concentra a maior parte da produção de tabaco do estado
Por:
1327 acessos

Chegamos ao centro-sul do Paraná na noite de sábado (17/02), após um trecho de pouco mais de 200 quilômetros a partir de Canoinhas (SC). É naquela região que se concentra a maior parte da produção de tabaco do estado. Fica por ali, por exemplo, o município de Rio Azul, que lidera a produção paranaense, com 2,5 mil propriedades, conforme a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra).

Ao contrário do que encontramos no Sul gaúcho e no litoral e norte catarinenses, que enfrentaram períodos de seca no decorrer da safra, no Paraná foi o contrário: houve chuva demais. O plantio naquela região começa em setembro e, segundo os produtores com quem conversamos, a umidade e a falta de sol foram constantes. Até a colheita, que teve início em dezembro, e agora está na reta final, ocorreu sob chuva.

Na manhã deste domingo (18/02), estivemos na localidade de Gonçalves Júnior, em Irati, outro importante município produtor, onde conhecemos o Seu Daniel Van Der Waal. Em sua propriedade, cerca de 15% da lavoura de 84 mil pés foi bastante prejudicada pela chuva. Segundo Seu Daniel nos explicou, quando a precipitação é mais intensa e há acúmulo de água no solo, a umidade apodrece a raiz. “Tivemos que colher na chuva, porque se não colhesse, não colhia mais”, disse.

Sua expectativa é colher 18 toneladas, um pouco mais do que no ano passado, já que ampliou a área plantada. O clima, porém, pode ter comprometido a qualidade. “O fumo faz a classe com o sol. Quanto mais sol, mais alaranjado”. Seu Daniel trabalha na lavoura com o filho, Anderson Thiago.

A cerca de 50 quilômetros dali, em Linha Maurício, interior de Prudentópolis, Seu Vicente Michelsqui enfrentou a mesma situação. Devido à chuva, até o deslocamento até à lavoura, a cerca de 1,5 quilômetro de sua casa, foi complicado. “Tive que colocar correntes nas rodas do trator para não atolar”, contou. Seu Vicente plantou 25 mil pés e espera obter 4 mil quilos.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink