Agronegócio

Extensionistas serão capacitados sobre energia fotovoltaica em Santa Maria

Extensionistas da região administrativa de Emater/RS-Ascar de Santa Maria estarão reunidos na sede do para uma capacitação sobre energia solar fotovoltaica.
Por:
434 acessos

Na próxima sexta-feira (17/06), extensionistas dos 35 municípios de abrangência da região administrativa de Emater/RS-Ascar de Santa Maria, estarão reunidos na sede do Sindicato Rural de Santa Maria, a partir das 9h, para uma capacitação sobre energia solar fotovoltaica, ministrada pelo assistente técnico regional de manejo de recursos naturais, engenheiro agrônomo Mario Luiz Landerdahl. "O objetivo é apresentar o que é a energia solar fotovoltaica, como podemos trabalhar essa questão, quais são os passos que temos que seguir para iniciar esse processo de atendimento nos escritórios municipais da Emater", antecipa Landerdahl.

O assunto já foi apresentado antecipadamente nos escritórios municipais da Emater/RS-Ascar de Dona Francisca, Santa Maria e em Nova Esperança do Sul. "Temos discutindo bastante o assunto, reunindo colegas e produtores interessados, onde orientamos e discutimos o que vem a ser o sistema e sua viabilidade técnica e econômica", explica Landerdahl.

Conforme o assistente técnico regional, o ponto de partida é verificar qual é o consumo que o produtor rural tem de energia elétrica. "Através da conta da concessionária temos condições de ver qual é o seu consumo e, a partir desse dado, estabelecer um equipamento mínimo suficiente para suprir essa necessidade", diz Landerdahl. 

De acordo com o técnico, através da conta de energia, que aponta o consumo de energia elétrica mês a mês, se pode observar, por exemplo, numa propriedade que realiza a secagem de cereais com a utilização de energia elétrica que em janeiro o consumo foi de 1345 kWh, fevereiro 1246 kWh, e assim por diante, finalizando com 276 kWh em dezembro. 

"Percebe-se, no exemplo, que os meses de janeiro e fevereiro foram os de maior consumo, superando 1000 kWh no mês, enquanto que, nos outros meses, o consumo foi de 148, 147, 128, 276 kWh. Então, com base nestas informações, elaboramos um projeto para que ele possa transformar a energia solar em energia elétrica, em média, na mesma quantidade estimada para consumo no ano, disponibilizando esta energia, em kWh, para a concessionária, para consumo futuro", exemplifica o técnico. 

Em resumo, detalha Mario, nos meses em que a geração de energia elétrica é maior do que o consumo na propriedade, o sistema injeta o excedente de energia na rede da concessionaria. Já nos meses em que o consumo é maior do que a geração, o sistema retira energia elétrica da rede da concessionária, desde que isto aconteça num período máximo de 60 meses. A vantagem do produtor será a redução no valor da conta de energia elétrica, além da possibilidade de melhorar a qualidade da energia disponibilizada na localidade onde reside. 

Segundo Mário Landerdahl, a capacitação dos técnicos da Emater/RS-Ascar possibilitará que eles possam, nas reuniões com os seus assistidos, ou onde houver interesse dos agricultores, assistidos ou não, apresentar o assunto como mais uma atividade da Emater/RS-Ascar, estimulando o uso da energia solar, uma energia limpa, um sistema sustentável e economicamente viável. 

Sistemas

O técnico da Emater/RS-Ascar de Santa Maria explica que existem dois sistemas: um que se chama de "Autônomo", em que se obtém energia do sol, transforma-se em energia elétrica e armazena-se em baterias, e outro sistema que se chama "Conectado". 

"O sistema armazenado em baterias é um sistema para localidades muito distantes, aonde a energia elétrica não chegou e, provavelmente, não chegue tão cedo porque o custo para levá-la é muito alto, ou para utilização nas propriedades em que precisamos bombear água num determinado ponto, longe da rede elétrica. Desta forma o sistema autônomo se torna viável. Já o sistema conectado é aquele que deverá ficar ligado à rede da concessionária o tempo todo, onde o excedente de energia produzida é injetado na rede para utilização futura", afirma Landerdahl.

Para Mario Landerdahl, os sistemas de geração fotovoltaicos deverão ser bem projetados. "Ou seja, não podemos querer produzir mais energia elétrica do que vamos consumir ao longo do ano. Este excedente de energia elétrica estará disponível para o produtor de energia por 60 meses e, se por acaso, se produzir mais do que será utilizado, isso vai beneficiar a concessionária", aponta ele.

Pauta

Na sexta-feira (17/06), além da capacitação sobre energia fotovoltaica, os extensionistas também receberam treinamento sobre mais dois assuntos: o Plano Safra 2016/2017, ministrado pelo assistente técnico de organização econômica do Escritório Regional da Emater/RS-Ascar de Santa Maria, engenheiro agrônomo Roblein Cristal Coelho Filho, e Sistema de Outorga de Água do Rio Grande do Sul (SIOUT/RS), abordado por Mario Landerdahl. 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink