Falta de zoneamento ameaça setor florestal no RS
CI
Agronegócio

Falta de zoneamento ameaça setor florestal no RS

Empresas temem que demora na conclusão de estudos ambientais comprometa projetos florestais
Por:

Cinco mil e quatrocentas pessoas que já estão trabalhando de forma terceirizada nos projetos florestais no Rio Grande do Sul podem estar com seus empregos ameaçados. O alerta foi feito nessa terça-feira (21-11) a uma comitiva de jornalistas gaúchos, durante visita à cidade finlandesa de Imatra, sede da maior fábrica da Stora Enso, pelo gerente regional florestal da Aracruz Celulose, Renato Rostirolla. O motivo é a demora na conclusão dos estudos para o Zoneamento Ambiental da Silvicultura e do Eia-Rima, que deveriam estar prontos até o final de dezembro. O prazo está determinado no Termo de Ajuste de Conduta (TAC) acertado com o Ministério Público (MP) que permitiu o início das atividades de preparo do solo, criação de viveiros e plantio de mudas de eucalipto em áreas já compradas pela Stora Enso, Aracruz e Votorantim (VCP). A solução seria uma flexibilização do TAC, com a prorrogação do prazo de liberação provisória das atividades até dezembro, o que já foi solicitado ao governador Germano Rigotto, que prometeu apoio.

Apesar da boa vontade do governo, diz Rostirolla, normas rigorosas indicam que os órgãos encarregados não poderão concluir o zoneamento no prazo. Perder a continuidade da produção, agora, seria catastrófico para as empresas e os trabalhadores, que teriam que ser dispensados, sem contar a ameaça para o futuro dos projetos, que envolvem 4 bilhões de dólares, advertiu Rostirolla. A Aracruz, que vem adquirindo áreas no eixo Guaíba-São Gabriel já tem 2 mil trabalhadores. Outros três mil atuam para a VCP, no Sul do RS, enquanto a Stora Enso contratou 400 na Fronteira-Oeste.

Através de sua assessoria, o diretor presidente da Fepam, Antenor Ferrari, garantiu que o zoneamento estará finalizado dentro do prazo, ou seja, em dezembro de 2006. Ressaltou que, após sua conclusão, será submetido à aprovação do Conselho Estadual do Meio Ambiente, processo que deve ser concluído até 31 de março de 2007. Ferrari assegurou que isso não terá interferência no acordo e que as empresas já tinham conhecimento dos prazos.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink