FAO discute situação da gripe aviária

Agronegócio

FAO discute situação da gripe aviária

O encontro é promovido pelo Escritório Regional da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação para América Latina e Caribe
Por:
334 acessos

O diretor de Programas da Área Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Jorge Caetano, participa nesta terça-feira (30-10) e quarta, em Santiago, no Chile, de reunião para analisar a situação mundial da gripe aviária no mundo e na região. O encontro é promovido pelo Escritório Regional da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para América Latina e Caribe. Especialistas de 30 países e diversos organismos internacionais já confirmaram presença no encontro.

Na semana passada, a FAO alertou que o vírus H5N1 da influenza aviária pode tornar-se endêmico em galinhas, patos e gansos domésticos em algumas regiões da Europa, como já aconteceu em partes da Ásia e África. Até 25 de outubro deste ano morreram 204 pessoas em 11 dos 12 países infectados pelo vírus. Até agora, América Latina e Caribe estão livres do vírus H5N1 de alta patogenicidade, mas existe o risco de sua introdução, com graves conseqüências econômicas e sociais. Por isso, são necessários vigilância constante e planejamento nacional e regional.

Além do perigo para a saúde humana, comprovado pelas mortes já confirmadas e da possibilidade de o vírus sofrer uma mutação permitindo a transmissão entre pessoas, a gripe aviária traz riscos à segurança alimentar e economia. A carne de ave e os ovos são os produtos pecuários mais consumidos na América Latina e Caribe e são fundamentais para a segurança alimentar de milhões de pessoas na região. Do ponto de vista econômico, a avicultura regional sofreria um grande impacto com a introdução de qualquer vírus da influenza aviária. Estudos da FAO indicam que, somente no sudeste asiático, as perdas para a avicultura comercial alcançaram US$ 10 bilhões. Já o sacrifício sistemático de aves na África causou prejuízos de US$ 60 milhões à indústria local.

Diante desse perigo, a FAO desenvolve quatro projetos de emergência na região com valor total de US$ 2 milhões, que enfocam a rápida detecção do vírus da influenza aviária de alta patogenicidade no Caribe.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink