Farinha de Cruzeiro do Sul é destaque no Congresso Nacional de Mandioca

Mandioca

Farinha de Cruzeiro do Sul é destaque no Congresso Nacional de Mandioca

Farinha de Cruzeiro do Sul foi um dos destaques das discussões por ser o primeiro produto derivado da mandioca a conseguir esse registro
Por:
212 acessos

Nesta quinta-feira, 15 de março, a indicação no geográfica foi tema de um dos painéis do XVII Congresso Brasileiro de Mandioca (CBM) e II Congresso Latino-Americano e Caribenho de Mandioca, realizado em Belém (PA). A farinha de Cruzeiro do Sul foi um dos destaques das discussões por ser o primeiro produto derivado da mandioca a conseguir esse registro.

Segundo a pesquisadora da Embrapa Acre, Joana Maria Leite, que discorreu sobre o tema, foram cerca de 20 anos de atuação na região do Juruá, onde a farinha é produzida de forma artesanal por agricultores familiares. “O obtenção da Indicação Geográfica foi possível, principalmente, devido ao esforço dos produtores rurais e de instituições que se uniram com esse objetivo, como o Serviço Nacional de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae-AC) e do Governo do Acre, por meio da Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar. E depois que conseguimos o selo, percebemos que teremos ainda mais trabalho para fortalecer a Central Juruá, a cooperativa de produtores rurais, e a farinha de Cruzeiro do Sul”, afirmou.

O painel contou ainda com a participação da representante do Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (CIRAD), Claire Cerdan, que falou sobre o cenário internacional da indicação geográfica e da professora da Universidade Federal da Bahia, Ryzia de Cássia Cardoso, que apresentou o processo, em curso, para obtenção da Indicação Geográfica da farinha de mandioca do Vale do Copioba.

O  tema ainda foi o enfoque uma mesa redonda com Claire Cerdam e com o consultor do Sebrae, Anselmo Buss Júnior, mediada pelo pesquisador da Embrapa Mandioca e Fruticultura, Carlos Estevão Cardoso.

Inspiração

As discussões inspiraram outras iniciativas que buscam a Indicação Geográfica. É o caso da Farinha de Mandioca de Bragança, conforme declarou o extensionista da Emater (PA) João Carmona. “Nós estamos há cinco anos trabalhando com os produtores rurais da região Bragantina e eu sei que é um longo caminho, mas é importante ouvir esses depoimentos e verificar cada uma das etapas realizadas”, disse.

Para o professor da Universidade Salvador (Unifacs),  Ednilson Andrade, do grupo de pesquisa Sacia que atua para obtenção da Indicação Geográfica da farinha de mandioca do Vale do Copioba, a experiência do Acre pode ser um exemplo. “A sensibilização dos produtores rurais e da comunidade é um passo fundamental e nós vimos que isso foi um dos pontos fortes no processo da Indicação Geográfica da Farinha de Cruzeiro do Sul. Nós queremos obter a Indicação Geográfica na região do recôncavo baiano para promover não só o produto, mas os saberes tradicionais e valor social da farinha e dos produtores”, declara.

Estande

A Farinha de Cruzeiro do Sul também é um dos destaques do estande da Embrapa no evento, onde os participantes podem degustar o produto e conhecer a nova embalagem desenvolvida pelo Sebrae-AC e que conta com a logomarca da Indicação Geográfica.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink