Federarroz ingressa no STF com ação contra lei de repactuação do passivo rural

Repactuação

Federarroz ingressa no STF com ação contra lei de repactuação do passivo rural

Entidade afirma que normas contidas na lei permitem tornar indisponíveis bens de produtores sem intervenção do Poder Judiciário
Por:
128 acessos

Entidade afirma que normas contidas na lei permitem tornar indisponíveis bens de produtores sem intervenção do Poder Judiciário

A Federação das Associações de Arrozeiros do Estado do Rio Grande do Sul (Federarroz) ingressou com Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN), junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), contra as previsões contidas na Lei nº 13.606/2018 que institui prazo para adesão dos produtores ao Programa de Regularização Tributária Rural (PRR) relativo à contribuição do chamado Funrural. As normas contidas na Lei de repactuação do passivo rural permitem que a Fazenda Pública Federal torne indisponíveis bens dos produtores rurais, por meio de averbação da certidão de dívida ativa nos órgãos de registro de bens e direitos sujeitos a arresto e penhora, de forma unilateral e sem intervenção do Poder Judiciário.

Segundo a entidade, a decisão de entrar com a ADIN se deve a estas previsões que revertem no desvirtuamento do sistema de cobrança de créditos tributários federais, além de uma flexibilização indevida de direitos e garantias constitucionais dos produtores de arroz. O diretor Jurídico da Federarroz, Anderson Belloli,  destaca que, tendo em vista que a previsão legal em comento oferece risco à segurança jurídica dos produtores rurais, com enorme potencial lesivo a direitos e garantias fundamentais, uma vez que conferiu poder indiscriminado à Fazenda Pública para bloquear os bens dos devedores e contribuintes inscritos em dívida ativa federal, não restou alternativa à entidade que não o ingresso da referida Ação. 

Belloli afirma que o objetivo é obter decisão do Poder Judiciário, no sentido de declarar a inconstitucionalidade do texto legal, na medida em que afronta direitos e garantias fundamentais. “Entre essas garantias estão os princípios do devido processo legal e da reserva de jurisdição, do contraditório e da ampla defesa, do direito de propriedade, da livre iniciativa, da isonomia, entre outros previstos no sistema legal brasileiro”, ressalta. 

A Federarroz, por meio de nota aos orizicultores, reforçou seu rotineiro compromisso de cumprir sua missão institucional, no sentido de defender integralmente, não somente os interesses das associações de arrozeiros filiadas à entidade, mas a totalidade dos produtores de arroz do Estado, independentemente de Região ou dimensão de suas produções.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink