Ferrovias ganham força no escoamento no RS

Agronegócio

Ferrovias ganham força no escoamento no RS

Em Santa Rosa, 30 vagões receberam soja da Cotrirosa
Por:
3771 acessos
O transporte ferroviário de grãos deve ganhar impulso no Rio Grande do Sul. O escoamento de arroz industrializado que sai do Estado por este modal pode quase dobrar até o final do ano com modificações operacionais e logísticas pretendidas pela ALL - América Latina Logística. Hoje, segundo dados do Sindarroz, 12% das 100 mil toneladas vendidas ensacadas a outros estados são deslocadas pelos trilhos, o restante ainda segue por rodovia, um modo mais rápido, porém mais caro.

Conforme o vice-presidente do Sindarroz, Élio Coradini, mesmo considerando custos adicionais de transporte entre a indústria e a estação e depois entre a estação e o cliente, a diferença de desembolso chega a 20%. "É um sistema viável, mas com gargalos a serem adequados" Segundo Coradini, um dos maiores entraves é o tempo de trânsito. De caminhão, o produto leva dois dias até o destino, enquanto de trem demora até 15 dias.

Para ampliar a captação de cargas rápidas, a ALL testa uma rota expressa de Uruguaiana (RS) para Tatui (SP), que permitirá que esse prazo de entrega caia para cinco dias. A linha expressa deve entrar definitivamente em operação a partir de junho, prevê o gerente de produtos Industrializados da ALL, Alonso Bee, que ontem participou do Seminário Internacional sobre a Logística do Arroz, na Expoarroz, em Pelotas. Para ganhar competitividade, a empresa colocou mais 12 locomotivas em operação, eliminando o estágio em que as cargas ficavam paradas aguardando conexões. Os planos para chegar ao transporte de 20 mil toneladas até dezembro inclui implantação de terminais em Cruz Alta, Cacequi, Santa Maria, Bagé e Pelotas, ampliando a rede hoje composta por Uruguaiana, Alegrete, Porto Alegre e Rio Grande.

Os planos da ALL também incluem Santa Rosa, município há 15 anos sem oferta de transporte ferroviário para cargas. A reativação da linha férrea foi marcada ontem pela chegada de 30 vagões, que transportarão 1,5 mil toneladas de soja da Cooperativa Tritícola Santa Rosa (Cotrirosa) até o Porto de Rio Grande. No retorno, o trem trará fertilizantes.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink