Ferrugem asiática deve destruir 3 milhões de sacas de soja
CME MILHO (SET/20) US$ 3,122 (0,19%)
| Dólar (compra) R$ 5,41 (-1,08%)


Agronegócio

Ferrugem asiática deve destruir 3 milhões de sacas de soja

Por:
1 acessos

A soja plantada no inverno (safrinha), além de apresentar produtividade questionável, pode se transformar em um grande risco para o agricultor. É que a leguminosa contribui para expansão do fungo causador da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi). Portanto, o plantio deste grão deve ser evitado no inverno caso os sojicultores queiram assegurar uma boa produtividade na próxima safra de verão desta cultura.

A advertência parte do patologista José Tadashi Yorinori, do Centro Nacional de Pesquisa de Soja da Embrapa, em Londrina. Na atual safra, por causa da ferrugem asiática, das 10 milhões de toneladas previstas para a produção paranaense, considerando-se área plantada de 3, 9 milhões de hectares, pelo menos 2% estão comprometidas por causa da doença, que provoca forte desfolhamento e provoca quebra na produtividade. Este percentual significa produção de 220 mil toneladas. Isto equivale a 3,3 milhões de sacas de 60 quilos. Vendidas a R$ 50 a saca, o prejuízo é de R$ 165 milhões. A estimativa é do Departamento de Economia Rural, núcleo regional da Seab em Maringá.

O pesquisador alerta que a doença está difundida em quase todas as regiões do estado, embora em diferentes graus. Como o fungo se hospeda em leguminosas, propagando-se através do ar, a soja safrinha funciona como uma verdadeira hospedeira. Isto não acontece no plantio direto porque o fungo não sobrevive na palha.

O ideal, segundo recomendação de Yorinori, está em observar o comportamento da planta. Assim que surgirem os sintomas, o sojicultor deve entrar em contato com a assistência técnica para - a partir de diagnóstico mais apurado - decidir pela aplicação ou não de fungicida.

Segundo o técnico, a decisão está relacionada ao nível de contaminação. Períodos chuvosos e úmidos proporcionam a propagação da ferrugem asiática pela sua condição de doença fúngica.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink