Fila de navios põe em risco entrega de adubo no campo
CI
Agronegócio

Fila de navios põe em risco entrega de adubo no campo

Congestionamento mantém embarcações por mais de 40 dias em alto mar à espera de autorização para atracar no porto paranaense
Por:
Congestionamento mantém embarcações por mais de 40 dias em alto mar à espera de autorização para atracar no porto paranaense

O tempo de espera para a descarga de fertilizantes nos portos de Paranaguá e Antonina tem feito aumentar a fila de navios e atrasado a chegada do adubo ao campo. Até o meio da tarde desta segunda-feira (16), 116 navios estavam ao largo da Baía de Paranaguá, aguardando para desembarcar o produto, que precisa estar na lavoura entre o final de agosto e início de setembro. Do total de embarcações, 46 continham cargas de fertilizantes. Fontes ligadas ao setor afirmam que, além de aumentar os custos, a demora cria o risco dos produtores ficarem sem disponibilidade do produto para o início da próxima safra de verão, principalmente para quem ainda não programou a compra do insumo.


O navio que hoje é o primeiro da fila para estacionar em Paranaguá chegou ao litoral no dia 1º de junho, ou seja, está parado há mais de 45 dias. Se a média de tempo de espera for aplicada aos outros navios que estão ao mar, o último da fila, que chegou no domingo passado, só deve conseguir liberação para desembarque da carga no dia 30 de agosto.

O clima é apontado como um dos principais fatores que torna lento o escoamento por paranaguá. Além disso, há um grande movimento de soja e, especialmente, milho deixando o país pelo corredor de exportação do estado. No caso do cereal, o volume chegou a 868 mil toneladas nos primeiros seis meses deste ano, o dobro na comparação com o ano passado.


O supervisor de vendas de uma multinacional de fertilizantes, que pede para não ser identificado, recomenda que o produtor retire o fertilizante imediatamente para não ficar sem. “Com a demora para descarregar existem algumas janelas, dias em que faltam produtos. Se esse intervalo for mais longo e próximo da época de plantio, o cliente pode ficar sem o produto no momento em que precisar”, afirma.

Segundo dados da Asso­ciação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), o volume total de fertilizantes entregues ao consumidor final cresceu 6% no primeiro semestre deste ano. Com isso, o montante deve ampliar ainda mais o acumulado de 9,2 milhões de toneladas registrado somente entre janeiro e maio de 2012, último dado oficial disponível. Para o diretor executivo da entidade, David Roquetti o período entre agosto e outubro costuma ser de pico, o que explica o maior movimento. Ele acredita que não deve haver falta de produtos, mas não descarta a possibilidade de haver atrasos. “Situações pontuais podem ocorrer, pois 45 dias para espera é um tempo muito longo. Na visão de Roquetti, o principal problema da demora recai sobre os custos de manter a carga parada no porto, que oneram a produção.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink