França pondera reintrodução de neonicotinóides
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,690 (-0,32%)
| Dólar (compra) R$ 5,49 (1,64%)

Imagem: Pixabay

MUNDO

França pondera reintrodução de neonicotinóides

Ministro retrata "crise sem precedentes"
Por: -Leonardo Gottems
377 acessos

A questão da reautorização de inseticidas neonicotinoides foi abordada pelo conselho nacional da França para a transição ecológica (NCET) em uma reunião que também incluiu a recém-nomeada ministra da transição ecológica e solidária, Bárbara Pompili. Várias organizações ambientais francesas proeminentes posteriormente optaram por boicotar a reunião sobre o assunto. 

O recém-nomeado Ministro da Agricultura e Alimentação, Julien Denormandie, anunciou a reintrodução dos neonicotinóides no início de agosto, frisando durante reunião com representantes do setor açucareiro que a decisão foi sobre “uma crise sem precedentes num momento onde não há alternativa”. Envolvidos por vários meses em uma crise, os produtores de beterraba estão pedindo ajuda porque os pulgões verdes, vetores do vírus da icterícia, estão infestando as plantações de beterraba. 

“Para alguns produtores, este ano é um desastre econômico, com perdas de cerca de € 1.300 por hectare”, disse Nicolas Rialland, diretor de relações públicas da confederação geral dos produtores de beterraba, à EURACTIV França. “Os produtos atualmente autorizados para controlar pulgões, infelizmente, não se mostraram eficazes em 2020. Os agricultores se consideram sem solução. Se alguns reduzem suas parcelas, outros correm o risco de fechar. É todo um setor que está em perigo hoje”, acrescentou. 

Para manter sua posição como o maior produtor de açúcar da Europa, o governo francês divulgou seu plano de apoio à indústria de beterraba açucareira, no qual o ministério da agricultura do país anunciou “uma emenda legislativa neste outono” para conceder “sob condições estritamente controladas” um períodos de “120 dias derrogação durante o período de sementeira” para sementes revestidas com neonicotinóides. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink