Funcafé destina R$ 20 milhões para recuperar cafezais no País

Agronegócio

Funcafé destina R$ 20 milhões para recuperar cafezais no País

O diretor da FAEMG, Breno Mesquita, diz que o recurso disponível é pequeno frente aos problemas enfrentados na produção
Por:
553 acessos

O diretor da FAEMG, Breno Mesquita, diz que “o recurso disponível é pequeno frente aos problemas enfrentados na produção. Em Minas Gerais, a região Sul foi a mais afetada. Lá, muitos produtores registraram perdas em função de geadas e de chuva de granizo”.
 
Os cafeicultores de Minas Gerais e demais regiões que registraram perdas na produção em função das variações climáticas já podem contratar a linha de financiamento para operações de Recuperação de Cafezais Danificados do Funcafé (Fundo de Defesa da Economia Cafeeira). Ao todo, estão disponíveis R$ 20 milhões. O valor, apesar de ser considerado pequeno, é fundamental para o setor, já que muitos produtores do Sul do Estado tiveram os cafezais devastados por geadas e chuvas de granizo na safra 2016. No Espírito Santo, onde a demanda pelos recursos tende a ser ampla, o problema foi a estiagem severa.
 
Segundo o diretor da FAEMG e presidente das Comissões de Cafeicultura da Faemg e da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), Breno Mesquita, os produtores que já estão com as perdas comprovadas tecnicamente devem buscar as entidades financeiras que operam as linhas do Fucanfé o mais rápido possível.
 
“No momento atual, o mais importante é que o produtor, cujo cafezal foi afetado e que já foi oficializada a comprovação técnica, busque rapidamente as entidades financeiras para ter acesso ao crédito. O recurso disponível, R$ 20 milhões, é pequeno frente aos problemas enfrentados na produção. Em Minas Gerais, a região Sul foi a mais afetada. Lá, muitos produtores registraram perdas em função de geadas e de chuva de granizo”, explicou Mesquita.
 
A linha de Recuperação de Cafezais Danificados foi criada há mais de cinco anos e garante recursos para que o cafeicultor invista na recuperação das áreas atingidas e tenha condições de se manter ativo na atividade. Mesquita explica que ao longo dos últimos anos, a linha de crédito foi pouco demandada e para que ela não fosse extinta foram reservados apenas os R$ 20 milhões.
 
Frente as perdas provocadas pelas geadas e pelas chuvas de granizo em Minas Gerais e a severa seca observada no Espírito Santo, o recurso para o atual ano produtivo é considerado pequeno. Por isso, as entidades representantes do setor já estão buscando meios que possam ampliar o volume de crédito disponível já a partir da próxima safra.
 
“Mantivemos este valor para que a linha não fosse extinta. Dessa forma, o acesso ao crédito é mais ágil. A linha é fundamental para o produtor que registrou perdas. Ao acessar os recursos, ele terá três anos de carência e mais três para quitar o valor”.
 
De acordo com as informações divulgadas pelo CNC (Conselho Nacional do Café), os recursos podem ser acessados por produtores que tiveram, no mínimo, 10% da área das lavouras cafeeiras danificadas por chuvas de granizo, geadas, vendavais ou outros fenômenos climáticos.
 
O financiamento deve ser destinado à recuperação e replantio da área afetada, conforme orçamento, que deve ser acompanhado de laudo técnico que delimite a área prejudicada, a intensidade das perdas decorrentes do evento e identifique a forma de recuperação da capacidade produtiva dos cafezais.
 
O MCR (Manual de Crédito Rural) define que o limite de empréstimo é de até R$ 3 mil por hectare, restrito a R$ 400 mil por produtor. O período de contratação se estende de janeiro a dezembro, com a formalização ocorrendo até 10 meses após a ocorrência do evento climático.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink