Fundecitrus reestima safra da laranja em 275,75 milhões de caixas

Laranja

Fundecitrus reestima safra da laranja em 275,75 milhões de caixas

Fundecitrus reestima safra da laranja em 275,75 milhões de caixas
Por:
350 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

O Fundo de Defesa da Citricultura – Fundecitrus publicou nesta segunda-feira (10) a segunda reestimativa da safra de laranja 2018/19 do parque citrícola de São Paulo e Triângulo/Sudoeste Mineiro. Os dados apontam uma produção de 275,75 milhões de caixas de 40,8 kg, um aumento de 0,88% sobre a reestimativa anterior, publicada em setembro. A projeção atual ainda permanece menor do que a primeira estimativa, realizada em maio, e representa uma queda de 4,35 % em relação às 288,29 milhões de caixas. Da safra total, cerca de 17,86 milhões de caixas deverão ser produzidas no Triângulo Mineiro.

A principal razão para o pequeno incremento da produção deve-se à mudança no regime de chuvas. Depois da seca que se instalou em todo o parque citrícola de maio a julho/2018, com estiagem de 45 a 70 dias variando entre as regiões – com exceção do Triângulo Mineiro, onde o fenômeno foi ainda mais prolongado –, as chuvas voltaram a ocorrer em agosto, continuaram dentro da normalidade no decorrer de setembro e se intensificaram em outubro e novembro.

A precipitação acumulada desde maio, em média, no parque, atingiu 610 milímetros e ficou 23% maior que a média histórica (1981-2010), de acordo com dados da Somar Meteorologia. As águas em maior quantidade contribuíram para a recuperação do crescimento dos frutos das variedades Pera Rio e tardias, pois a maior parte deles ainda não tinha sido colhida quando as chuvas ocorreram.

Segundo o coordenador do trabalho, Vinícius Trombin, a deficiência hídrica provocada pelo longo período de seca no início da safra, além de inibir o crescimento das laranjas, interferiu negativamente no vigor das plantas e deixou os frutos mais suscetíveis à queda e aos efeitos das doenças e pragas. “Os dados do monitoramento de talhões mostram que a queda de frutos acumulada até novembro já está mais alta do que a expectativa para o período e deverá encerrar a safra acima do valor projetado em maio. Nesta nova projeção, a taxa de queda de frutos média do cinturão citrícola passa de 17% para 17,20%”, diz Trombin.

A colheita das precoces está praticamente encerrada. A colheita da Pera Rio soma 83%. As variedades Valência e Valência Folha Murcha e a Natal têm 66% colhida. Ao todo cerca de 78% da safra 2018/19 já está colhida. Nessa mesma
época, na safra passada, a colheita estava em 75%.

O método utilizado para a reestimativa é o mesmo adotado na safra anterior. As informações foram obtidas a partir da pesquisa de monitoramento em 1.200 talhões desde maio que deixam de ser visitados à medida que ocorre a colheita completa do mesmo. O trabalho de Pesquisa de Estimativa de Safra (PES) é feito pelo Fundecitrus em parceria com a Markestrat, FEA-RP/USP e FCAV/Unesp.

O relatório completo está disponível em português e em inglês no site do Fundecitrus. Acesse pelo link: https://www.fundecitrus.com.br/pes/estimativa

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink