Fungo controla percevejo de renda na seringueira
CI
Imagem: Divulgação
BIOLÓGICOS

Fungo controla percevejo de renda na seringueira

Pesquisa mostra que produto biológico pode reduzir em 60% os custos com aplicação de defensivos
Por: -Eliza Maliszewski

Um fungo selecionado pelo Instituto Biológico (IB-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, é um grande aliado no combate ao percevejo de renda nos seringais. A praga pode reduzir a produção de látex e o crescimento da árvore em 30% e o diâmetro do colo da planta em 45%.  O inseto tem origem amazônica e está presente nos cultivos de seringueira desde 1985. Ele suga a seiva das folhas da planta, causando a desfolha e reduzindo a produção.

O controle químico da praga é caro e é aí que entra o fungo entomopatogênico a base de Simplicillium lanosoniveum. É um inimigo natural do inseto e com isso pode reduzir em até 60% os custos com aplicação de defensivos agrícolas. Estima-se que em 2019, o fungo foi aplicado em 9 mil hectares plantados com seringueira em São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul e Espírito Santo.

De acordo com o pesquisador do IB, Antonio Batista Filho, o equilíbrio da população interna entre praga e fungo é mais rápido em função da seringueira ser uma cultura perene e por isso a necessidade de aplicação pode ser reduzida. "Com isso, dependendo das condições climáticas, é possível aplicar Simplicillium lanosoniveum apenas uma vez, gerando economia para o produtor", explica.

O fungo penetra nos insetos e provoca uma doença que é disseminada por ventos e outros agentes físicos e biológicos. Para ter eficiência é necessário umidade relativa do ar de 60% e utilização nas horas mais frescas do dia ou com o tempo nublado. Para o sucesso do controle, o pesquisador recomenda que o produtor monitore constantemente para saber a quantidade da praga que incide no seringal.

São Paulo é o maior produtor de borracha natural  e tem cerca de 135,5 mil hectares com seringueiras. Também há seringais consistentes em pelo menos outros 11 estados brasileiros. 


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink