Gel pode proteger agricultores da toxidade dos pesticidas

SAÚDE

Gel pode proteger agricultores da toxidade dos pesticidas

Produto obteve sucesso quando testado em ratos de laboratório
Por: -Leonardo Gottems
895 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente
Obrigado por se cadastrar
  • Enviamos a você um email de boas vindas para ativação de seu cadastro.

Pesquisadores do Instituto de Ciência de Células-Tronco e Medicina Regenerativa da Índia (InStem) desenvolveram um gel para proteger o aplicador da toxidade de alguns defensivos agrícolas. Segundo as informações divulgadas pelos desenvolvedores, o gel “desativa” os produtos químicos, impedindo-os de penetrar profundamente na pele e órgãos como o cérebro e os pulmões. 

A exposição a produtos químicos contidos em pesticidas danifica uma enzima chamada acetilcolinesterase (AChE) que está presente no sistema nervoso e é crítica para as funções neuromusculares. Quando seu funcionamento é interrompido por pesticidas químicos que entram no corpo através da pele, pode causar neurotoxicidade, disfunção cognitiva e até a morte em casos graves.  

Quando o gel foi aplicado em ratos e eles foram expostos a uma dose letal de pesticida MPT, não ocorreu qualquer alteração no seu nível de AChE, mostrando que poderia impedir a penetração do pesticida na pele. Nos estudos de laboratório, ratos tratados com gel de poli-Oxima sobreviveram ao tratamento com pesticidas, enquanto ratos sem gel apresentaram sintomas de envenenamento ou morreram 

O gel não age como uma barreira física, mas age como um catalisador, que funciona em temperaturas que variam de 20ºC a 40ºC, mesmo após longa exposição à luz ultravioleta. “Nossos dados sugerem que uma fina camada de gel de poli-oxima pode hidrolisar organofosfatos na pele; portanto, pode prevenir a inibição da AChE quantitativamente no sangue e em todos os órgãos internos, como cérebro, pulmão, fígado e coração”, diz o relatório. 

Segundo Dr. Praveen Kumar Vemula, membro sênior da equipe de pesquisa, o projeto está prestes a ser testado em humanos. “Atualmente, estamos realizando extensos estudos de segurança em animais que serão concluídos em quatro meses. Posteriormente, planejamos um estudo piloto em humanos para demonstrar a eficácia do gel”, conclui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink