GO: recorde da produção de soja é destaque do Agro em Dados de agosto
CME MILHO (DEZ/20) US$ 3,690 (-2,43%)
| Dólar (compra) R$ 5,40 (0,39%)

Imagem: Divulgação

MERCADO

GO: recorde da produção de soja é destaque do Agro em Dados de agosto

Publicação mensal do Governo de Goiás traz ainda análises sobre mercado de açúcar, aves, suínos, milho
1369 acessos

As exportações de carne bovina seguem em alta, contribuindo para sustentar os elevados preços na arroba do boi gordo no mercado doméstico. O Estado de Goiás, por exemplo, registrou incremento de 16,8% nos valores das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2020. Já na produção de grãos, tanto Goiás quanto Brasil seguem confirmando volume recorde na safra 2019/2020, que está chegando ao fim. Com isso, Goiás se tornou o terceiro maior produtor de soja, com crescimento de 9,0% em relação à safra anterior (2018/2019). Essas informações integram a edição de agosto do Boletim Agro em Dados, publicação mensal do Governo de Goiás que traz números e análises do setor agropecuário goiano e nacional. O material é elaborado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e está disponível no site da pasta: www.agricultura.go.gov.br.

De acordo com o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos de Souza Lima Neto, as informações publicadas no Agro em Dados comprovam a relevância do setor agropecuário para a retomada econômica no Brasil e em Goiás. “Estamos em um momento decisivo para os rumos que a economia goiana deve seguir nos próximos meses. Isso porque o pós-pandemia, que deve se anunciar em breve, vai requerer das economias de todo o mundo esforços significativos para uma guinada positiva. Em Goiás, por determinação do governador Ronaldo Caiado, estamos um passo a frente desse momento. A nova Secretaria da Retomada, cuja efetivação se deu logo no início deste mês, será um diferencial que vai não só agregar à estratégia do Governo de Goiás para uma política pública voltada ao crescimento, mas também será ponta de lança para captar investimentos, acertar alinhamentos estratégicos para o Estado e aglutinar ações positivas voltadas ao desenvolvimento de todos os setores, inclusive o nosso agro”, destaca.

Ele enfatiza ainda que o agro é peça fundamental nessa retomada prevista pelo governo e isso devido aos resultados expressivos conquistados pelo setor que não parou, se adaptou e ainda conseguiu crescer em meio ao caos vivido com a Covid-19. “Só nesta edição do Agro em Dados trazemos exemplos de produtos e commodities que têm alavancando cada vez mais nossa economia. É o caso da carne bovina, cana-de-açúcar, soja, milho e outras atividades que só fortalecem nosso segmento em Goiás, resultando na geração de emprego e renda para o Estado”, reforça.

Pecuária de corte
De acordo com análise feita pela Gerência de Inteligência de Mercado da Superintendência de Produção Rural Sustentável da Seapa e publicada no Agro em Dados deste mês, o dólar valorizado frente ao real tem contribuído para a competitividade da carne bovina brasileira no cenário mundial. Em relação à demanda, no mercado externo, no primeiro semestre de 2020, o volume nacional de embarques seguiu ritmo acelerado de crescimento, superando 900 mil toneladas, com incremento de 9,3%. O montante atingiu US$ 3,92 bilhões, com alta de 25,7% sobre o mesmo período de 2019 e participação de 47,3% do valor das exportações do complexo carnes no País.

A China continua sendo o principal destino dessa commodity, com 46,7% do valor exportado em 2020. Mas, atualmente, a carne bovina brasileira é embarcada para 137 destinos, conquistando novos mercados, devido à qualidade do produto ofertado pelo país, sustentada por investimentos em tecnologia, sanidade e controle dos sistemas de produção.

Já o estado de Goiás registrou incremento de 16,8% nos valores das exportações de carne bovina no 1º semestre de 2020, em comparação com o mesmo semestre de 2019. Nesse período, a carne bovina goiana teve 63 países como destino, foram 118 mil toneladas e montante de US$ 527,5 milhões, o que representa 73,9% das exportações do complexo carnes do estado. O principal destino da carne bovina goiana também é a China. A expectativa é de crescimento para este destino, em que em junho de 2020 registrou variação em volume de 202,0%, em relação a junho de 2019.

Já no cenário interno, o Agro em Dados revela que a retração da renda das famílias, por causa dos efeitos da pandemia do novo coronavírus, tem contribuído para a queda no consumo de carnes bovinas, com a população optando por proteínas animais substitutas de menor preço. “A expectativa é que ocorra uma reação da demanda interna, principalmente devido à abertura do comércio, impactando de forma positiva os segmentos atacadistas e varejistas”, avalia o superintendente de Produção Rural Sustentável da Seapa, Donalvam Maia.

Em relação ao preço médio mensal da arroba do boi gordo, o indicador CEPEA/B3, informado no Agro em Dados, aponta que a média de junho foi de R$ 209,87, se tornando a 3ª maior desde 1994, em termos reais, e nas primeiras semanas de julho a média registra R$ 220,19. Em Goiás, a Conab registrou em junho alta de 8,4% ante maio, e nas três primeiras semanas de julho, a média da arroba do boi gordo ficou em R$ 207,47. Com isso, a tendência, diante do cenário de demanda externa aquecida e restrição na oferta, é que os preços sigam elevados.

Soja

De acordo com avaliação publicada no Agro em Dados, as boas condições do mercado e o recorde da produção de grãos têm impactado positivamente o segmento de soja. A estimativa de produção nacional na safra 2019/2020 superou os 120 milhões de toneladas, volume 5,1% maior que na safra anterior. Com o problema climático no Rio Grande do Sul e o ganho de produção e de produtividade da soja goiana, o Estado de Goiás se tornou o 3º maior produtor de grãos do País, com estimativa de 12,4 milhões de toneladas de soja, com taxa de crescimento da produção de 9,0% e da produtividade de 6,9%.

O superintendente Donalvam Maia explica que na comercialização internacional, no primeiro semestre de 2020, as estatísticas de exportação ratificam a importância da soja e seu bom desempenho tem contribuído, sobretudo, para a geração de divisas. O complexo soja nacional foi destinado para 99 países neste 1ª semestre do ano, e a China foi o principal destino, com o montante de US$ 14,8 bilhões e 43,5 milhões de toneladas, representando 62,1% e 62,5% do total exportado desse complexo, respectivamente. Já Goiás exportou para 38 destinos nesse período, e a participação chinesa no Estado ainda é maior que na média do País, em que mais de 70% da soja goiana exportada é para a China.

O Agro em Dados revela ainda que a soja em grão é o principal produto exportado do complexo soja em Goiás, e possui grande peso por, entre outras finalidades, fazer parte da suplementação animal. “O farelo de soja é responsável por quase todo o restante da totalidade do valor exportado, isso mostra que Goiás exporta em sua grande maioria a matéria-prima. O óleo de soja bruto e o óleo de soja refinado juntos representam apenas 2,8%, há potencial para expandir esse mercado e agregar valor nessa cadeia produtiva”, informa Donalvam.

Cana-de-açúcar

Segundo maior produtor do país, Goiás estima produção de 75,7 milhões de toneladas de cana-de-açúcar na safra atual, incremento de 0,7% em relação à safra anterior, puxado pelo aumento da área plantada no Estado. De acordo com a gerente de Inteligência de Mercado da Seapa, Juliana Dias Lopes, as usinas instaladas em Goiás destinam, majoritariamente, cana-de-açúcar para fabricação de etanol e uma menor quantidade para açúcar. Ela cita que a destinação para produção de açúcar foi de apenas 17,3% da cana na safra anterior e, seguindo a tendência nacional, a expectativa é que passe para 23,5% na safra atual. O açúcar exportado por Goiás tem como destino 40 dos 132 países com os quais o Brasil comercializa.

Jurisdicionadas

O Agro em Dados também traz informações sobre as jurisdicionadas à Seapa. No caso da Centrais de Abastecimento de Goiás (Ceasa-GO), estão disponíveis dados sobre a comercialização de alimentos. Em junho deste ano, foram 71,2 mil toneladas de alimentos, montante de R$ 160,1 milhões. A taxa de crescimento em relação ao mês anterior foi de 3,05% em volume.

A Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater) ressalta a importância do Emater Mobi, aplicativo desenvolvido com o intuito de aproximar o produtor rural e os técnicos de extensão rural, criando um canal de comunicação direto, com atendimento de forma remota e virtual. A plataforma agiliza o processo de suporte, sem que haja necessidade de deslocamento do produtor ao escritório local e/ou do técnico extensionista à propriedade rural. Em todo o estado, 48,8% dos municípios já possuem produtores rurais utilizando essa ferramenta.

Já Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) aborda o Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás (Sidago), em que os produtores rurais têm acesso rápido e seguro, por meio remoto (computador ou celular), à emissão de documentos de trânsito animal, consultas de saldo de rebanho, declaração de vacinação, entre outros. Atualmente, 38,8% dos produtores rurais do Estado utilizam a tecnologia.

Acesse a versão completa do Agro em Dados: https://www.agricultura.go.gov.br/files/Agro-em-Dados-2020/AGOSTOAGROEMDADOS.pdf


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink