Governador do PR assina normativa que regulamenta o manejo do solo
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,090 (1,09%)
| Dólar (compra) R$ 5,61 (0,12%)


Agronegócio

Governador do PR assina normativa que regulamenta o manejo do solo

Entre os objetivos da resolução está diminuir as perdas com a erosão
Por:
2907 acessos

Uma normativa para o uso de solos em todo o Estado do PR foi lançada pelo governador Orlando Pessuti nesta sexta-feira (3) em Campo Mourão. O evento fez parte de um seminário estadual sobre o manejo e a conservação das terras agrícolas paranaenses. Entre os objetivos da resolução está diminuir as perdas com a erosão e dar suporte para os técnicos que fiscalizam o plantio poderem cobrar e multar quem não segue os preceitos da normativa.

O encontro contou com a presença do secretário da Agricultura e Abastecimento, Erikson Camargo Chandoha, representantes do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea), da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), engenheiros agrônomos e chefias de todos os Núcleos Regionais da Seab.

O governador Orlando Pessuti disse que a luta deve ser de todos. “Fico indignado quando vejo processos erosivos devido ao manejo inadequado. Eu que nasci e cresci na roça; sei o que é perder o solo e contaminar os rios. O agricultor tem um compromisso com a vida, ele cuida do que é essencial da água, do alimento e da qualidade do ar”, destacou.

O secretario Chandoha explicou que agora essa é uma prioridade. “Quando assumi, disse que não criaria novos programas, pois o que temos é muito bom. Mas teríamos a retomada das boas práticas. O que buscamos principalmente é a excelência do plantio direto.”

O evento serviu de alerta sobre a qualidade do solo e a importância do manejo correto do mesmo. O engenheiro agrônomo da Emater, coordenador do programa de gestão ambiental em microbacias, Oromar João Bertol, a erosão hoje está voltando a ser um problema no estado.

“Estamos enfrentando a perda de solos, água e as lavouras também perdem com isso. Isso aumenta o custo e diminui a produção do trecho que sofre com a erosão. Mas o problema vai além de apenas perdas econômicas para o produtor. O assoreamento é uma das consequências desse descaso. A água é um recurso importante para toda a sociedade”, ressalta Bertol.

Um dos organizadores do seminário, Erich Schaitza, secretário executivo do Programa de Gestão Ambiental Integrada em Microbacias, explicou que essa medida não é algo novo, é uma retomada das boas práticas que foram deixadas de lado ao longo do tempo.

“O Paraná já foi referência na qualidade e conservação dos solos, mas mudou. Mudaram os maquinários, o sistema de plantio e a sociedade não renovaram as boas práticas. Quando tivemos a troca de secretaria, uma das prioridades foi a volta da discussão em torno do manejo. O bom é que a visão de que é preciso mudar o que se tem hoje vem de vários setores, tanto públicos como privados”, diz.

Segundo ele, a região foi referência no correto manejo e tem grande importância ainda hoje. “Não há como negar o potencial da região de Campo Mourão. Até por isso, esse evento está sendo realizado aqui”, explica Schaitza. Ele lembrou que agora com a normativa o Estado vai poder cobrar as boas técnicas de manejo.

“O produtor pode se recusar a seguir o que determina a normativa, mas agora temos a base técnica para cobrar e multar. Todos estarão avisados, até por isso reunimos a parte técnica, as cooperativas, entre outros. Para que a informação chegue aos produtores. É uma ajuda também aos fiscais que atuam nas regionais”, afirma Schaitza. O engenheiro agrônomo e professor Marcos Vieira lembrou que o encontro não pode ficar apenas na conversa. “O seminário já é uma conquista, mas o que a gente espera mesmo e que seja o gatilho que detona as ações futuras. Para que todos se preocupem mais em reverter a perda de qualidade do solo”, pondera.

De acordo com o engenheiro, os problemas com a erosão são cada vez mais uma triste realidade. “Só não temos problema agora porque não está chovendo. Com a seca não temos erosão, mas é a chuva vir com esse manejo inadequado que muitos estão tendo que os problemas ficarão evidentes”, finaliza.

O presidente do Crea PR, José Cabrini Junior, o evento e o regulamento não são novidades no Estado. “A questão do manejo começou em Campo Mourão e foi se espalhando. Hoje o que buscamos retomar é uma tecnologia nossa, queremos uma agricultura forte”, coloca.

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink