Arroz

Governo federal libera mecanismo de AGF aos produtores de arroz

Solicitação da Federarroz ao MAPA será confirmada na próxima segunda-feira
Por:
150 acessos

O governo federal vai liberar nos próximos dias o mecanismo de Aquisições do Governo Federal (AGF) para o arroz. A medida vinha sendo negociada pela Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz) junto ao Ministério da Agricultura. A expectativa é que a publicação ocorra na próxima segunda-feira, 23 de abril, no Diário Oficial da União.

De acordo com o presidente da Federarroz, Henrique Dornelles, apesar de neste primeiro momento o volume ainda ser pequeno, o AGF servirá como um teste para montar uma programação maior para a ferramenta caso haja uma demanda forte pelo mecanismo. “Os produtores aguardam esta ferramenta com grande expectativa na medida em que os programas de PEP e Pepro estão andando satisfatoriamente mas com algumas dificuldades em função da competição de frete com a soja, trazendo um problema de logística”, ressalta.

Dornelles avalia que o setor vê com confiança a entrada do AGF neste momento do mercado, apesar de que a Federarroz mesmo sempre combateu a formação de estoques no Rio Grande do Sul. “Mas tivemos que dar o braço a torcer de forma que o mercado tem reagido de forma lenta ainda e consideramos que isto seria um promotor para uma velocidade maior de recuperação dos preços”, destaca.

Para o presidente da Federarroz, outro ponto positivo é a confiança junto ao Ministério da Agricultura que, nos últimos quatro anos, mesmo com a comercialização de todo o estoque do governo federal, não houve influência negativa nos preços aos orizicultores. “Isso nos dá uma confiança de que conseguimos, o setor produtivo, juntamente com os técnicos do Ministério e da Conab, formatarmos uma relação de confiança que veio a desencadear de que estes estoques futuramente não depreciarão os preços ao produtor”, observa.

Mesmo com as dificuldades orçamentárias, o governo federal vem buscando atender os pleitos do setor arrozeiro como os mecanismos de PEP, Pepro e AGF além das renegociações das dívidas, que teve no Banco do Brasil um parceiro sensível às dificuldades dos orizicultores. Dornelles destaca o papel do ex-secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, nas negociações. "Mesmo que não estivesse nestes últimos anúncios, o ex-secretário deu apoio fundamental para que pudéssemos alcançar estes objetivos", reforça.
 

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink