Governo suspende medicação de pacientes com suspeita de gripe suína

Agronegócio

Governo suspende medicação de pacientes com suspeita de gripe suína

Governo suspende medicação de pacientes com suspeita de gripe suína
Por:
225 acessos

O Ministério da Saúde decidiu suspender neste sábado(27) a medicação dos pacientes suspeitos de infecção pela gripe A (H1N1) – conhecida popularmente como gripe suína – após verificar que 800 pacientes em observação usaram o medicamento sem terem tido a doença confirmada. O argumento do governo é que o uso desnecessário do remédio poderia provocar uma resistência do vírus ao tratamento.

Até sexta-feira, todos os casos suspeitos notificados até 48 horas após os primeiros sintomas recebiam o medicamento fosfato de oseltamivir – já usado no combate a gripe aviária. O medicamento atua como inibidor da neurominidase, responsável por separar o vírus influenza da célula para que ele possa infectar outras células no organismo.

A partir deste sábado, receberão o medicamento as pessoas que apresentarem um agravamento do seu estado de saúde nas primeiras 48 horas desde a apresentação dos sintomas iniciais e pessoas que têm maior risco de apresentar quadro clínico grave.

Estão incluídas neste grupo: crianças menores de dois anos de idade; idosos (acima de 60 anos); gestantes; pessoas com imunodepressão (por exemplo, pacientes com câncer, em tratamento para AIDS ou em uso regular de corticosteróides), hemoglobinopatias (doenças provocadas por alterações da hemoglobina, como a anemia falciforme), diabetes, cardiopatia, doença pulmonar ou renal crônica.

Medicação

O Ministério da Saúde informou ainda que todos os casos confirmados de gripe suína terão direito a atendimento e que todos os pacientes terão à disposição internação em um dos 800 leitos reservados para isso na rede pública, em 53 hospitais de referência. Caso o número de infectados aumente, o número de leitos será ampliado.

Em nota, o governo afirma possui um estoque "estratégico" para o tratamento de casos da gripe A e que para uso imediato, há cerca de 10 mil tratamentos que serão enviados aos Estados de acordo com a necessidade. O Ministério da Saúde afirma ainda possuir, em cada Estado, 9 milhões de tratamentos prontos para serem distribuídos.

Recomendações

Em casos de confirmação de infecção em escolas, creches e ambientes de trabalho, o governo recomenda o sigilo da identidade dos doentes e a suspensão temporária das atividades. A duração da interrupção das atividades deve considerar o período de transmissão da doença (de até sete dias, para adultos; e 14 dias, para crianças) e a utilização de máscaras deve ser feita somente em ambientes hospitalares.

As viagens para os países com transmissão sustentada da doença - Estados Unidos, México, Canadá, Austrália, Chile, Argentina e Reino Unido - devem ser evitadas, mas o governo afirma não haver proibição nem restrição de trânsito de pessoas entre o Brasil e esses países. A recomendação é uma medida adicional de prevenção, tendo como base critérios epidemiológicos e o aumento, com a proximidade das férias de inverno, da circulação de turistas brasileiros em países com transmissão sustentada da doença.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink