Greenpeace escolhe o PR para sediar encontro sobre transgênico

Agronegócio

Greenpeace escolhe o PR para sediar encontro sobre transgênico

Por:
1 acessos

A estratégia de ação global do Greenpeace para 2005 será definida no encontro que a instituição realizará em Morretes, Litoral do Paraná, entre os dias 21 e 25 de fevereiro de 2005. O “Fórum de Decisão Global” terá a participação de técnicos de todo o mundo envolvidos na Campanha de Engenharia Genética, que alerta sobre os riscos que envolvem a produção e o consumo de alimentos transgênicos.

“O Greenpeace Internacional escolheu o Paraná em razão da postura adotada pelo governo em apoio a agroecologia e da luta do governador Roberto Requião para manter o Estado como área livre de transgênico”, justificou o engenheiro agrônomo da Campanha de Engenharia Genética, Ventura Barbeiro.

Ele explicou ainda que a instituição escolheu o município também pelo fato da prefeitura ter uma política de incentivo a produção orgânica.

Ventura ressaltou que Morretes tem uma localização estratégica, está em uma área de preservação e próxima do maior corredor de exportação de grãos do mundo, o Porto de Paranaguá.

Ventura esclareceu que apesar de todos os escritórios regionais terem autonomia para suas ações em defesa do meio ambiente, o estabelecimento de uma estratégia global é necessária porque ela agrega as diferentes experiências que a organização tem ao redor do mundo. “As ações de nível mundial serão definidas com base na análise das experiências que os técnicos do mundo todo trarão ao encontro”, explicou.

O secretário de Estado da Comunicação Social, Aírton Pissetti, salientou que, apesar do governo não estar envolvido na realização da reunião, o fato do Paraná sediar um encontro mundial para discussão da transgenia auxilia na campanha de esclarecimento que o governo do Estado faz sobre a produção de transgênicos. Além disso, segundo Pissetti, o evento vai atrair a atenção do mundo para discutir o tema.

Apoio:

“O Greenpeace já ficou impressionada com a postura do governo do Paraná quando a vice-governadora da província francesa da Bretanha veio conhecer o trabalho do Estado para se tornar área livre de transgênico”, afirmou o secretário ao lembrar a visita de Pascale Loget, em agosto deste ano.

Na oportunidade, a missão francesa veio ao Paraná conhecer toda a cadeia produtiva da soja convencional. Pascale declarou na época que a opção paranaense por uma agricultura sustentável era clara e conhecida na Europa. “A decisão do governador Roberto Requião foi politicamente corajosa e tecnicamente confiável. O Paraná é um Estado que está cumprindo o que foi acertado na Agenda 21, realizada durante a Eco 92, no Rio de Janeiro”, disse.

De acordo com a vice-governadora, cerca de 80% da população francesa já se manifestou contra a presença de transgênicos tanto na alimentação direta como na indireta, via leite ou carne. A Bretanha é um dos territórios representados no primeiro encontro internacional de áreas livres de transgênicos, que será realizado no início do ano que vem na Alemanha.

Cartilha:

O governo do Estado lançou neste mês uma cartilha orientando os produtores rurais paranaenses sobre as vantagens da soja convencional em comparação com a soja transgênica. As informações destacam que a soja convencional tem vantagens comerciais, melhores índices de produtividade e não gera efeitos sobre o meio ambiente e a saúde.

As informações estão no site www.pr.gov.br/seab e enfocam aspectos como tendências do mercado mundial, produtividade, utilização de herbicidas, contaminação química do solo, royalties e reação dos consumidores. A Secretaria da Agricultura também fornece informações sobre o tema pelo e-mail sojadoparana@seab.pr.gov.br e pelo telefone (41) 313-4064.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink