Hortas Pedagógicas chegarão em 2019 em escolas de São Luís

Agricultura

Hortas Pedagógicas chegarão em 2019 em escolas de São Luís

MDS irão implantar etapa piloto do projeto “Hortas Pedagógicas” em duas escolas públicas municipais de São Luís-MA
Por:
39 acessos

A Embrapa e o Ministério do Desenvolvimento Social – MDS irão implantar etapa piloto do projeto “Hortas Pedagógicas” em duas escolas públicas municipais de São Luís-MA: a Unidade de Educação Básica – UEB Jackson Lago, na área urbana, e a UEB Augusto Mochel, na zona rural, selecionadas devido às suas ações no âmbito da sustentabilidade ambiental. Desenvolvido pela Embrapa Hortaliças, o Projeto Hortas Pedagógicas consiste em um conjunto de capacitações que alia práticas de produção de hortaliças (aspectos agronômico) às práticas didático-pedagógicas da escola envolvendo toda a comunidade escolar – diretores, coordenadores pedagógicos, professores, alunos, nutricionistas, merendeiras e familiares.  

A iniciativa faz parte da parceria entre MDS e Embrapa para implantar hortas pedagógicas no Maranhão (MA) e Piauí (PI), áreas com alto índice de vulnerabilidade social, visando contribuir com a segurança alimentar e nutricional. Na metodologia proposta, as hortas funcionam como sala de aula aberta e interdisciplinar, nas quais disciplinas básicas e temas transversais podem ser abordados, de forma prática, em todas as etapas do ensino fundamental e médio.

No estado do Maranhão, serão responsáveis pela execução do projeto a Embrapa Cocais, a Secretaria Municipal de Educação – Semed, por meio do Núcleo de Educação Ambiental – NEA, a Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento – Semapa e a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão – Agerp, vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura Familiar – SAF, com apoio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação-FNDE, do Ministério da Educação, e outras secretarias municipais associadas. 

Projeto aproxima Ministério, Embrapa e prefeitura - Antecedendo a implantação das Hortas Pedagógicas, foi realizada, em novembro deste ano, na Embrapa Cocais (São Luís-MA), reunião técnica entre as equipes envolvidas com o projeto (gestores e coordenadores pedagógicos) para instalação do Comitê Gestor, elaboração participativa dos atores envolvidos do plano de trabalho e discussão da abordagem, que será utilizada nas atividades de capacitação previstas para 2019. Na ocasião, a chefe geral da Embrapa Cocais, Maria de Lourdes Mendonça Santos Brefin, falou da satisfação de desenvolver este projeto piloto em parceria com as Secretarias de São Luís. “Com o apoio dos pesquisadores e técnicos das instituições envolvidas, em respeito à realidade e à cultura locais, implantaremos essas duas hortas, que servirão como vitrines de tecnologias da Embrapa, locais para desenvolver na prática a aprendizagem e trocar experiências. O Maranhão, estado com baixo Índice de Desenvolvimento Humano – IDH e alta vulnerabilidade social, possui grande necessidade de iniciativas como essa. Que seja o começo de uma série de hortas no Maranhão, uma semente a se multiplicar”. 

Para Elias Antonio Freire, diretor de Departamento de Mobilidade Social, Micro e Pequenos Negócios para a Segurança Alimentar do MDS, o projeto deverá melhorar a qualidade da alimentação dos alunos e suas famílias, com benefícios também para a comunidade local. “Queremos contribuir para a geração de crianças e adolescentes mais bem alimentados, conhecedores dos alimentos saudáveis e adequados para sua vida, por meio da aprendizagem pela experimentação. Os recursos para essa empreitada estão garantidos. A boa interação dos atores locais é imprescindível para o êxito do projeto e para que se expanda para mais escolas”.

O supervisor de Transferência de Tecnologia da Embrapa Cocais, Talmir Quinzeiro, acredita que o projeto é bem abrangente, pois engloba o acompanhamento técnico do início ao fim, o componente pedagógico e recursos materiais para execução. “É um presente e um desafio, que estamos recebendo e teremos compromisso e empenho para o sucesso esperado”.

Estiveram presentes por parte do MDS, além do diretor de Departamento de Mobilidade Social, Micro e Pequenos Negócios para a Segurança Alimentar, Elias Antonio Freire, a coordenadora-geral de Micro e Pequenos Negócios para a Inclusão Produtiva, Kelliane Fuscaldi. Pela Prefeitura de São Luís participaram o secretário municipal de Educação, Moacyr Feitosa, o secretário municipal de Agricultura, Pesca e Pecuária, Raimundo Nonato Silva Junior, e o secretário municipal de Planejamento, José Cursino. Pela Embrapa Hortaliça, a supervisora substituta da área de Transferência de Tecnologia, Margarida Gorga e o analista Francisco Herbeth dos Santos e representando a Presidência da Agência Estadual de Pesquisa e Extensão Rural, compareceu Alessandra Lima Araújo. 

Visita às escolas relaciona a realidade do ensino municipal e o potencial do projeto - Como parte da programação, foram visitadas as duas escolas públicas municipais de São Luís-MA (Unidades de Educação Básica – UEBs Jackson Lago, na área urbana, e Augusto Mochel, na zona rural em São Luís-MA) selecionadas para serem piloto do projeto no Maranhão. Margarida Gorga, da Embrapa Hortaliças, lembrou a importância do protagonismo das escolas no processo. “O que se quer é que as escolas abracem o projeto, que é delas, cuidem todo dia, com todo carinho e dedicação. Cultivar, esse é o segredo para os bons frutos que almejamos, com envolvimento da comunidade, algo tão necessário na realidade social em que estão inseridas”.

Sobre o projeto e sua execução no estado – Em 2019, serão realizadas capacitações dos profissionais envolvidos (técnicos, professores, merendeiras, nutricionistas que atendam a escola, diretor/a, coordenadores/as, auxiliares de serviços gerais, entre outros) e alunos e pais interessados (a comunidade escolar, como um todo) sobre as técnicas agrícolas para produção de alimentos (plantio, colheita, pós-colheita, armazenamento e conservação), assim como assuntos relacionados à educação ambiental, gestão de resíduos, compostagem, novas técnicas de preparo de alimentos dentro dos princípios higiênico-sanitários, nutrição equilibrada e saudável. Parte desses treinamentos teóricos serão realizados por meio de vídeo aulas e cartilhas, disponíveis também na plataforma virtual, coordenada pela Embrapa Hortaliças. Estão previstas ainda, ações de comunicação, para o envolvimento da comunidade local. O projeto terá duração até final de 2020, podendo ser prorrogado, se houver interesse entre as partes.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink