Iagro imuniza 17 mil animais na divisa do MS com a Bolívia
CI
Agronegócio

Iagro imuniza 17 mil animais na divisa do MS com a Bolívia

A vacinação na região alta de Corumbá já imunizou mais de 17 mil animais do rebanho de 140 mil existente na fronteira
Por:

As ações de vigilância sanitária animal na fronteira de Mato Grosso do Sul com a Bolívia completaram um mês, desde o aparecimento de focos de aftosa no país vizinho. Para evitar a introdução do vírus no Estado, a Agência Estadual de Defesa Agropecuária (Iagro) mantém 6 barreiras fixas, uma patrulha fluvial e seis barreiras volantes em constante vigilância na região. Além disso, a Iagro deflagrou a vacinação estratégica na região alta de Corumbá e já imunizou mais de 17 mil animais do rebanho de 140 mil existente na fronteira.

De acordo com o diretor-presidente da Iagro, Roberto Rachid Bacha, desde a notificação dos focos de aftosa no país vizinho, os fiscais da Iagro estão fazendo a vigilância e a vacinação acompanhada dos bovinos. "Apesar das chuvas, mais de 17 mil animais já foram imunizados pelos próprios fiscais da Iagro em aldeias e assentamentos da região", lembrou. A expectativa do presidente é que as ações sejam concluídas com sucesso em mais 30 dias.

"O resultado está sendo considerado muito bom, e nossa expectativa é de que os trabalhos possam ser finalizados em 30 dias", ressaltou.

Bacha destacou ainda a importância da participação dos produtores de Corumbá que estão seguindo os procedimentos e vacinando corretamente o gado. "Os produtores de Corumbá têm sido nossos grandes parceiros, o que garante a excelência do trabalho de sanidade", frisou.

Barreiras

Nas barreiras montadas pela Iagro na divisa de Corumbá com a cidade boliviana de Puerto Suarez, uma média de 2.300 veículos são pulverizados com líquido de desinfecção diariamente.

O presidente da Iagro está confiante que a condução correta das ações garante a sanidade do gado da região. "Temos hoje confiança que a condução do trabalho foi correta, o que nos deixa fora do risco de contaminação pela doença", concluiu.


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink