Identificar OGMs atualmente é quase impossível

GENÉTICA

Identificar OGMs atualmente é quase impossível

“As mutações criadas pela edição de genes podem ser idênticas àquelas criadas pelas técnicas clássicas de reprodução"
Por: -Leonardo Gottems
65 acessos

Receba Notícias como esta por email

Cadastre-se e receba nossos conteúdos gratuitamente

O professor da Rothamsted, no Reino Unido, Johnathan Napier, que foi pioneiro na produção de óleos de peixe Omega-3, afirmou que a natureza das mudanças trazidas pela tecnologia tornaria quase impossível identificar as importações de alimentos para a União Europeia que foram geneticamente modificados. O Continente aprovou uma medida que exige que as embalagens de alimentos sejam rotuladas como geneticamente modificadas se mais de 0,9% de qualquer ingrediente tiver sofrido modificação. 

“As mutações criadas pela edição de genes podem ser idênticas àquelas criadas pelas técnicas clássicas de reprodução de plantas ou mesmo pela variação natural. Não consigo pensar em uma maneira após o fato de você poder distinguir qual método foi usado. Este enigma é um problema que precisa ser urgentemente abordado pelas agências reguladoras da UE, principalmente se outros países e parceiros comerciais começarem o cultivo comercial de culturas alimentícias geneticamente modificadas que são importadas para a Europa”, comenta. 

De acordo com o professor, ao contrário da modificação genética, onde os genes de outro organismo são inseridos no genoma, a edição genética (GE) não envolve a incorporação de material genético de outras espécies. Apesar disso, em julho, o Tribunal Europeu de Justiça decidiu organismos geneticamente modificados devem ser tratados da mesma forma que os transgênicos.  

“Infelizmente, há uma percepção geral entre os pesquisadores europeus de que a realização de testes de campo GM é um fardo que é melhor evitar. Mas na Rothamsted entendemos a importância dos testes de campo e defendemos firmemente o acesso contínuo a eles, pois eles são um componente essencial na demonstração da eficácia de qualquer novo traço da cultura”, conclui.

Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink