Importações de milho da China atingem alta de 4 anos
CME MILHO (DEZ/20) US$ 4,200 (0,72%)
| Dólar (compra) R$ 5,63 (0,59%)

Imagem: Divulgação

MUNDO

Importações de milho da China atingem alta de 4 anos

Isso reflete a recuperação no rebanho chinês
Por: -Leonardo Gottems
309 acessos

As importações chinesas de milho em agosto de 2020 subiram acentuadamente em relação ao mês anterior para atingir seu nível mais alto desde maio de 2016, segundo afirmou a T&F Consultoria Agroeconômica. Isso ocorre à medida que a recuperação da demanda interna por ingredientes de ração animal aumentou a necessidade de importações, mostraram dados da Alfândega da China na quarta-feira. 

“Os dados também mostraram que, à medida que as importações de ração aumentam, as importações de carne estão caindo sinalizando a recuperação dos rebanhos de gado domésticos.   As importações de milho em agosto somaram 1,02 milhão de t, um aumento de 12% em relação a julho e quase cinco vezes maior do que o volume registrado em agosto de 2019, segundo os dados”, comenta. 

Além disso, a China já importou 5,59 milhões de t de milho nos primeiros oito meses de 2020, já com alta de 16% em relação às importações totais para o ano civil completo de 2019. “O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China informou na semana passada que o rebanho de suínos do país em agosto aumentou quase 5% em relação a julho e aumentou mais de 31% em relação a agosto de 2019, com 60% do suprimento de milho na China normalmente usado em ração animal a cada ano”, completa. 

“As importações de substitutos para o milho também foram maiores em agosto, uma vez que as importações de cevada saltaram 7% em relação ao mês passado, alcançando 440.000 t e as importações de sorgo subiram 23% em relação ao mês anterior, para 640.000 t. Em contrapartida, as importações de trigo recuaram significativamente em relação a julho, caindo quase 25%, para 700.000 t em agosto. Enquanto isso, as importações diretas de carne bovina também diminuíram em agosto, com as importações de carne suína no mês caindo quase 19% em relação ao mês anterior, para 350.000 t, e as importações de carne bovina mais de 9% menores em julho, em 190.000 t”, conclui. 

Anúncios que podem lhe interessar


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink