Incertezas em relação ao milho safrinha


Agronegócio

Incertezas em relação ao milho safrinha

Por:
1 acessos

Os produtores de milho podem ficar sem zoneamento agrícola para o plantio da safrinha, o que inviabiliza a possibilidade de seguro da produção. A medida foi pedida ontem pelos agricultores, mas pode não haver tempo hábil de aprovação. Há ainda incerteza quanto à aceitação, por parte da equipe econômica, das medidas de incentivo, como aumento do limite de crédito e o lançamento de contratos de opções.

O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin, disse não acreditar que o trabalho técnico do zoneamento esteja concluído para esta safra. O plantio do grão, em estados tradicionais como o Paraná e São Paulo, só poderá ocorrer até o final do mês de março. "Creio que não dê tempo", afirmou o secretário.

Wedekin, acredita, porém, que apesar de não poderem segurar a produção - a segunda safra é mais suscetível a adversidades climáticas - os produtores estão estimulados porque o preço do grão está alto. O governo prevê que a safrinha atinja 8 milhões de toneladas.

Durante o encontro de ontem, os técnicos das secretarias estaduais de agricultura do Paraná e de São Paulo apresentaram o zoneamento nestas localidades para que sirva de modelo ao ministério.

Produtor estimulado

"Queremos definição até a próxima semana", disse Nelson Costa, gerente da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar). Segundo o técnico, como a colheita da soja está atrasada, o cultivo do milho pode começar imediatamente. O estado pode plantar este ano 1,2 milhão de hectares de milho, com colheita prevista de 3 milhões de toneladas.

O secretário-executivo do ministério, José Amauri Dimarzio, disse que esperava urgentemente a aprovação das medidas de apoio ao grão, pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de forma extraordinária. O ministério havia proposto que o limite do custeio fosse dobrado e fosse criada linha de financiamento da estocagem a preços de mercado. Na reunião do dia 30, os técnicos do CMN porém pediram mais informações sobre as medidas.

Segundo ele, as explicações foram dadas e os novos mecanismos não afetariam o Tesouro Nacional porque os recursos são provenientes das exigibilidades bancárias.

O secretário disse que havia dúvida de técnicos da área econômica sobre a eficácia das medidas, uma vez que o governo poderia vir a taxar as exportações de milho e autorizar importação do cereal transgênico para garantir o abastecimento.

"Espero que seja aprovado o mais rápido possível. Se não, será ruim para o País e o ministério não vai se responsabilizar pelo desabastecimento e estouro de preços."

Para José Amauri Dimarzio, é preciso que o governo sinalize uma política para o setor de modo que, em até três anos, o Brasil esteja colhendo 50 milhões de toneladas do grão e exportando 8 milhões de toneladas. A idéia do governo é, ainda este ano, ter estoque estratégico de dois milhões de toneladas para garantir o abastecimento do Nordeste.

Neila Baldi


Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink