Instituto Agronômico alerta mercado de produtos agrícolas

PRODUTOS AGRÍCOLAS

Instituto Agronômico alerta mercado de produtos agrícolas

O fato de o NAC ser uma molécula usada como medicamento que não prejudica as pessoas, facilita o acesso ao produto
Por:
1397 acessos

O Instituto Agronômico (IAC-APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, faz um alerta ao mercado de produtos agrícolas, em especial para a citricultura, a respeito de formulações que estariam sendo produzidas com N-Acetil-Cisteína (NAC). O NAC é uma molécula já usada para tratamento de infecções bacterianas das vias aéreas de humanos e seu uso no manejo de doenças em plantas é uma descoberta do IAC, patenteada e já licenciada, com exclusividade, para a empresa Ciacamp Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Ltda. Somente esta detém legalmente o direito de fazer uso da tecnologia e já produz, em parceria com a empresa Amazon Agrosciences Ltda um fertilizante foliar, a partir dessa descoberta inédita do Instituto.

A patente Nº PI 1101176-9 confere ao IAC o direito de impedir outra instituição e/ou empresa de, sem o consentimento do Instituto, produzir, usar, colocar à venda, vender ou importar produto que seja oriundo dessa patente.

“O IAC vem alertar que qualquer fabricação que incorpore reivindicações da patente de invenção PI 1101176-9, anúncio, exposição, distribuição e venda violam os direitos do detentor IAC”, diz o comunicado assinado por Marcos Antônio Machado, diretor-geral do IAC, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), divulgado em 30 de outubro de 2019. Uma nova parceria entre o IAC e as empresas licenciadas foi assinada em 28 de outubro passado, com o objetivo de validar o efeito do organomineral como produto agrícola, aplicando a tecnologia do NAC para uso no mercado agrícola.

O ineditismo da descoberta está no fato de o princípio ativo ser uma molécula já aprovada para uso em humanos, com nenhum impacto ambiental, além de menor custo de produção. Até 2013, quando o IAC fez essa revelação, o tratamento era feito à base de agroquímicos, que são onerosos e têm alto impacto na natureza.

O fato de o NAC ser uma molécula usada como medicamento que não prejudica as pessoas, facilita o acesso ao produto, entretanto, o emprego da sua aplicação na fabricação de insumos citrícolas é condicionado ao licenciamento, em razão da patente do IAC.

“Patenteamos junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) o uso do NAC para controle de doenças em plantas de citros”, diz Machado, ao explicar que a utilização do NAC é liberada, seu uso no manejo de plantas é que foi patenteado pelo Instituto.

Alessandra Alves de Souza, pesquisadora da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de SP, que atua no IAC e liderou a pesquisa, ressalta que embora já adotado na medicina, o NAC nunca havia sido testado para combater doenças de plantas. “Essa molécula mostrou-se eficiente no controle de fitopatógenos dos citros, incluindo a Xylella fastidiosa”, garante.

A dose usada na planta é bem menor do que a adotada em seres humanos. O NAC foi avaliado como estratégia para inibir ou desagregar o biofilme bacteriano, formado na superfície das folhas pela bactéria do Cancro Cítrico. “Esse biofilme protege as bactérias de estresses ambientais, entre eles o calor e raios UV, e de compostos antimicrobianos que possam afetar o desenvolvimento da bactéria, dentre eles o cobre, muito usado no controle químico do Cancro Cítrico”, explica Alessandra.

A fim de tornar a bactéria mais vulnerável, a equipe buscou encontrar uma estratégia para retardar ou inibir a formação dessa capa protetora nas folhas antes da infecção. Sem o filme que a protege, a bactéria ficaria mais suscetível aos estresses ambientais e aos compostos antimicrobianos. Consequentemente, seriam reduzidos também os focos da doença e a quantidade de produtos químicos aplicados.

Essa pesquisa teve duração de quatro anos. “Os resultados mostraram que essa molécula não só reduziu a quantidade de bactérias capazes de colonizar a folha, como também teve efeito de desprendimento da comunidade bacteriana que vive sobre as folhas”, explica.

Segundo Alessandra, a aplicação de NAC com cobre reduziu em até mil vezes a concentração de bactérias nas folhas. “Daí concluímos poder se tratar de nova estratégia de manejo do Cancro Cítrico.” A equipe segue estudando novas formas de aplicação do NAC a fim de encontrar respostas ainda mais eficientes. Os novos passos envolvem testes em campo para controle da CVC e testes em casa de vegetação para manejo de outras doenças bacterianas.


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink