IPO nos EUA pode ser opção para JBS após BNDES vetar reorganização

Agronegócio

IPO nos EUA pode ser opção para JBS após BNDES vetar reorganização

Para os analistas do Itaú BBA, o principal gatilho para uma mudança de patamar para cima dos múltiplos da empresa se foi
Por:
1412 acessos

Para os analistas do Itaú BBA, o principal gatilho para uma mudança de patamar para cima dos múltiplos da empresa se foi

A JBS, maior processadora de carnes do mundo, está avaliando várias alternativas após o BNDES vetar a reorganização global da companhia, que devem ser apresentadas ao conselho de administração, afirmaram executivos do grupo nesta quarta-feira.

De acordo com o presidente-executivo da JBS, Wesley Batista, uma eventual listagem de ações das operações norte-americanas da companhia está dentro de várias opções que o grupo brasileiro de alimentos poderá avaliar nos próximos meses.

A gigante de alimentos anunciou pela manhã o cancelamento dos trabalhos de meses para uma reorganização que previa criar uma holding para agrupar seus negócios internacionais.

A empresa afirmou que a suspensão do processo foi tomada depois que o braço de participações do BNDES (BNDESPar) se manifestou contra e exerceu direito de veto sobre a proposta. O BNDESPar detém 20,36 por cento das ações da JBS.

Questionado na teleconferência por analistas sobre os motivos que levaram o banco de fomento a vetar a transação, Batista afirmou que o "BNDES entendeu que a proposta de reorganização do jeito que foi apresentada não representava o melhor caminho para a JBS".

Em nota, o BNDES disse que a BNDESpar informou que vetou a operação porque não a considerou como a alternativa que melhor atende aos interesses da companhia e de seus acionistas.

"A reorganização proposta, ao prever a transferência da propriedade de ativos que representam aproximadamente 85 por cento da geração do caixa operacional da JBS para uma companhia estrangeira, implicaria na desnacionalização da empresa e alteraria substancialmente os direitos e deveres conferidos a todos os acionistas, com repercussões de diversas naturezas, e submetendo-os a legislação e jurisdição estrangeiras", disse o braço de participações do banco de fomento.

Mais cedo, analistas do Itaú BBA já tinham levantado essa explicação. "Nossa melhor hipótese neste momento é de que o BNDES pode ter sido contra a JBS se tornar uma companhia irlandesa/norte-americana após todo o apoio financeiro subsidiado que a companhia recebeu ao longo dos anos."

A BNDESpar disse ainda na nota que reitera seu total apoio à JBS e que permanece aberta para avaliar outras alternativas de reorganização societária que venham a ser apresentadas pela companhia.

As ações da JBS fecharam em queda de 11,45 por cento, a 10,44 reais, atenuando as perdas durante o pregão após, na mínima, caírem mais de 20 por cento, recuo equivalente a uma perda de valor de mercado da ordem de 7 bilhões de reais.

Desde o anúncio do plano de reorganização, em 11 de maio, os papéis da JBS haviam subido cerca de 35 por cento até a véspera.

 


Atenção: Para comentar esse conteúdo é necessário ser cadastrado, faça seu cadastro gratuíto.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink