Laudos confirmam 113 mil litros de leite adulterados no Norte gaúcho
CI
Agronegócio

Laudos confirmam 113 mil litros de leite adulterados no Norte gaúcho

Seis pessoas foram presas na segunda etapa da operação Leite Compen$ado
Por:
Seis pessoas foram presas na segunda etapa da operação Leite Compen$ado

Laudos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirmaram a presença de formol no leite in natura em cerca de 113 mil litros do produto produzidos em Rondinha, na zona da Produção. A informação foi divulgada pelo Ministério Público (MP) nesta quarta-feira, quando foi deflagrada a segunda etapa da Operação Leite Compen$ado.


De acordo com o MP, o leite impróprio para consumo, seria encaminhado à Confepar, uma união de cooperativas agropecuárias localizada no norte do Paraná.  Segundo o promotor de Justiça Mauro Rochenback, responsável pelas investigações, desde fevereiro a empresa estaria ciente de que o leite in natura recebido dos postos de resfriamento no Rio Grande do Sul, onde houve detecção de formol, não deveria ser utilizado na produção de leite UHT e pasteurizado.

No entanto, ainda não é possível atestar se a medida foi cumprida. "Quem deve responder isso é a empresa", observou o promotor. Conforme a investigação do MP, o elo entre os transportadores e a cooperativa paranaense era um homem que está detido desde o início das investigações no Presídio Estadual de Espumoso.


Em Rondinha, foram apreendidas notas fiscais que comprovam a aquisição de 50 quilos de ureia. Três pessoas foram presas – dois sócios de uma transportadora e um motorista – numa propriedade rural no interior do município. De acordo com o MP, no local ocorreria a mistura de ureia – que contém formol na composição – ao leite in natura. 

Ainda na noite dessa terça-feira, foi preso um vereador de Horizontina, na Grande Santa Rosa, suspeito de envolvimento na fraude. A prisão dele foi solicitada na primeira etapa da operação, mas não havia sido autorizada. Como havia risco de fuga do suspeito, segundo o MP, o mandado de prisão foi concedido pela Justiça. Um homem, que estaria ligado ao núcleo de Ibirubá, foi preso em Espumoso.


Núcleos diferentes

O promotor Mauro Rockenbach esclareceu que os núcleos supostamente envolvidos na fraude agiam de forma independente. No entanto, a fórmula utilizada para adicionar ureia ao leite era a mesma. Ele afirmou que não há condições de apurar a quantidade de leite adulterado consumido pela população. "A indústria é quem deve responder a esse questionamento", sintetizou.

Na segunda-feira, a Justiça gaúcha aceitou a denúncia do Ministério Público (MP) contra 11 suspeitos de envolvimento na fraude do leite em Ibirubá, no Alto do Jacuí. Em Guaporé, na Serra, foi aceita a denúncia contra dois suspeitos de envolvimento na adulteração do produto.


Operação Leite Compen$ado

O MP gaúcho deflagrou, em 8 de maio, a operação Leite Compen$ado nos municípios de Guaporé, Horizontina e Ibirubá. De acordo com investigações das Promotorias de Justiça Especializada Criminal e de Defesa do Consumidor de Porto Alegre e do Mapa – que tiveram início há três meses – pelo menos 100 milhões de litros de leite teriam sido adulterados no Estado.

Atenção: Para comentar nesta página é necessário realizar o seu cadastro gratuíto ou entrar.
  • Clicar no botão Entrar caso já possua cadastro no Agrolink
  • Se não tiver cadastro ainda em nosso site Cadastre-se gratuitamente e terá acesso a conteúdos exclusivos
  • Clique aqui todas as vantagens de fazer seu cadastro no Agrolink

Usamos cookies para armazenar informações sobre como você usa o site para tornar sua experiência personalizada. Leia os nossos Termos de Uso e a Privacidade.